Não deixes mais.


Não tinha ainda 10 anos quando naquela noite senti na pele aquele cinto de cabedal dobrado ao meio, ele com cheiro a alcool e eu sem entender o que se passava mais uma vez chorava pelas dores que a pele sentia. Isso mesmo, só a pele sentiu porque hoje não me lembro mais.
A violência que fazia doer o corpo essa já nada me fazia. Umas horas depois de o corpo arrefecer com as lágrimas que caíam já a vida continuava na esperança vazia de não voltar a acontecer.
Percebi com a idade, com a vida, que a violência é a frustração dos fracos. É a necessidade de se sentirem poderosos frente a alguém independentemente do seu tamanho, idade ou capacidade. Não lhes interessa. O que lhes dá sossego é aquela ideia de "aqui quem manda sou eu". Ah que esta força é toda minha. É olharem de sorriso no canto do lábio para quem fica no chão tipo cachorro abandonado à espera que ninguém lhe dê mais um pontapé e acharem que conseguiram mais uma vitória neste mundo competitivo. Verdade. São assim os agressores. Aqueles que marcam o corpo, mas também aqueles que marcam a alma dos outros. Não penses que és menos agressor quando tentas ofender o colega da escola, o vizinho ou até mesmo o outro condutor. Sabes lá tu as dores que ele carrega, sabes lá tu as coisas que lhe podem ferir a alma. 
Para que tenhas noção uma das coisas que mais me feria o coração era ouvir um "tens a mania". Quem o dizia dizia na brincadeira, para rir. A minha cara fechava-se e as lágrimas quase caíam. Sabes, nem tu nem ninguém sabe o que magoa o outro, aquele outro de carne e osso igual a ti com uma alma tão diferente. Deixa-te de achar que podes andar por aqui a espalhar maldade sem que o universo te retribua igual. 
Quando leio comentários em que me tentam agredir primeiro sorrio e depois penso como se sentirão aquelas pessoas. Depois sinto pena, não dos agressores, apesar de ter a certeza que a frustração, a raiva que têm da vida lhes rouba metade da saúde, não... eu tenho pena é de todas as vítimas que eles vão arranjando por onde passam. Porque sei minha gente que existem poucas almas como as minhas, almas que se reconstruíram mesmo cheias de cicatrizes. Almas que não vergam mais, almas que deixaram de ser vítimas e que passam a carregar as dores dos outros. É eu sou dessas. Chamem-me o que quiserem, digam merda com fartura porque já nada me afecta. Não me acho mais bonita quando me dizem que sou lindo nem me acho uma merda quando me dizem que o sou. Não quero mais saber aquilo que pensam sobre mim. Não quero mesmo.
E minha gente, parem de dizer que é "dar importância", parem de dizer que é "perda de tempo". Nunca minha gente nunca digam que enfrentar um agressor é perder tempo! Sabem lá vocês a diferença que podem fazer na vida de outras pessoas ao não calar.
Sabem, eu amava ter tido alguém que um dia dissesse "BASTA", amava ter visto alguém enfrentar o meu agressor para lhe dizer umas quantas verdades.
Oh gente, ninguém se deve calar frente a uma agressão, seja ela de que espécie for. Lembrem-se que na vossa cabeça pode não ser nada, mas para aquela vítima pode ser a ferida de uma vida!
Caramba anda tanta gente preocupada com a obesidade, com a aparência dos outros ou com o seu peso, mas quando chega a hora de enfrentar as bestas, quando chega a hora de arregaçar mangas e proteger quem é de carne e osso como tu já ninguém se chega à frente porque se arranjam mil e uma desculpas para "desculpar", para "ignorar" um agressor. Cobardolas é o que somos todos cada vez que fazemos de conta que as bestas merecem desculpa por serem filhos da estupidez. Foda-se gente! Está nas nossas mãos calar e parar quem se acha poderoso usando a maldade para destruir o outro.
Deixem-se de se preocupar com o peso dos outros, preocupem-se sim com aquelas crianças que levam pontapés na escola, com aquela mulher que foge do marido aos gritos, com aquelas crianças que levam porrada ou que ouvem dos outros todos os insultos possíveis. Não virem as costas, não finjam que não ouviram ou ouviram.
Seja em casa, na rua ou na internet, não ignorem os agressores dêem sim voz às possíveis vítimas. Protejam os outros e evitem próximas vítimas.

Vou e venho como me apetece, não pelos outros nem para os outros.
Faço isto por mim, sou de apetites, de vontades controversas. Sou eu.

Bikinis Plus Size 2017

Visto o tempo a que tenho tido direito está mais que na hora de falar do verão porque esta chuva só me faz pensar no Natal e para isso ainda faltam uns quantos meses.
Já vos falei aqui da minha paixão pelo site da Swimsuitsforall e das coleções em colaboração com a Ashley Graham e com a GabiFresh (já vos mostrei aqui e aqui os "meninos" dos meus olhos), mas desta vez trago-vos outras opções e sobretudo falar-vos de como fui fazendo uma coleção de bikinis para que todos os verões possa coordenar as peças como me apetecer.

Portugal Curvy #14 - Mix & Match



Ora cá estamos nós mais uma vez, nesta primeira segunda-feira de maio para vos apresentar um novo tema do Portugal Curvy.
E desta vez, foi a Isolina do blog Armário XL que escolheu o tema... que posso eu dizer-vos? Ela tem um estilo fantástico, cria coordenados que eu nunca me lembraria e por isso este desafio acreditem que foi para mim um verdadeiro challenge. Misturar padrões, foi isto que nos pediu. Como já vos tinha dito aqui eu sou muito básica nesta coisa de misturar coisas.
Bora lá então falar do que decidi vestir para este challenge!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...