Uma conversa nossa.



Hoje venho conversar contigo, com todos aqueles que por aqui passam.
Sabes, encontraremos sempre pessoas que desvalorizarão a nossa caminhada, que usarão a dor até para competir como se fosse algo de grandioso superar x ou y doença. Como se a doença tivesse níveis, como se existissem doenças menos dolorosas que outras, como se ver a vida fugir das nossas mãos tivesse maior ou menor importância dependendo do diagnóstico do médico. Caramba, acredita que encontrarás gente assim, daqueles que te dirão "não sejas parva", "não sejas estúpida". Afinal, na cabeça de gente pequenina nós temos "tudo". Temos um salário, temos uma família que nos ama, temos uma casa e comida na mesa. Para eles isto é tudo. Mas, e nós? E não sabermos quem somos, andarmos meio perdidos sem explicação, sentir aquele aperto no peito e uma vontade incontrolável de chorar. Isso também temos, mas eles não sabem o quanto dói aquilo que não se vê com os olhos.


Sabes, nunca fui rica, nunca tive em quem me encostar até aos 18 anos... e nem imaginas a falta que me fez um ombro em quem me apoiar. Nunca fui rica, vivia encostada aquele banco da estação, vivia da riqueza de uns biscoitos e café que aquele senhor do guichet me ia dando. Mas olha, olha para mim não como uma guerreira, não como uma fraca. Olha para mim com olhos de quem é gente, daquela que ainda não virou máquina e sabe onde estão as suas prioridades.
Quando fui fazendo o meu caminho cruzei a história de uma mãe que tinha "tudo", mas no fim de contas já nada tinha, perdeu "tudo" no dia em que o filho de 19 anos decidiu que já não queria mais esta vida.  Lidei cara-a-cara com a morte de perto, o cancro mata lentamente para que possas ter noção de como és rica ao poder respirar cada segundo.
Sabes, nesta minha curta vida aprendi que não sou mais nem menos que os outros, que todas as vidas têm o seu mérito e quando dói, dói e ponto final. Não interessa o teu grau de dor, não és mais ou menos vitorioso se te deixas cair quando algo te vira a vida do avesso. Caramba, acredita que ninguém tem o direito de questionar o valor do peso que carregas às costas.

Um dia, quando me senti já capaz, decidi criar um blog, decidi que todas estas lições que fui aprendendo e que ainda aprendo e que continuarei a aprender mereciam e tinham de ser partilhadas com todos aqueles que estejam a passar por uma situação de dor, por um momento, por uma fase em que se acham menosprezados ou incompreendidos. Porque eu sei como é difícil estar nessa fase, porque eu também lá estive e caramba como aquele sentimento de culpa nos pesa. E sem saber o porquê damos conta que estamos a ser julgados como os "pequeninos", os "fracos" e "mal agradecidos" da vida.
Eu sei como é doer sem explicação, sei como é sentir raiva de nós próprios por já não sermos capazes de ser aquilo que um dia já fomos.
E então?! Somos TODOS humanos, somos gente com sentimentos que não vive tudo como todos os outros, mas é NORMAL. Somos todos diferentes e não temos, não temos mesmo o direito de minimizar a dor dos outros.

Como podem aqueles que já passaram por etapas difíceis na vida ser de tal maneira egoístas ao ponto de se acharem vitoriosos e ou outros uns fracos? Como podem eles não ter aprendido absolutamente nada durante aquele percurso? Há algo de errado, não com quem carrega a dor no peito, mas sim com aqueles que nada aprendem enquanto superam os dias mais cinzentos.

Eu sei que é isto que devo fazer na minha vida, partilhar aquilo que vivi na esperança de reconfortar e dar esperança a quem enfrenta dias mais escuros, partilhar o meu percurso na esperança de que vejam como é possível reerguer mesmo que diferente, o ser humano que queremos ser.

À Ana, à Patrícia, à Susana, à Catarina, à Olga e a todas aquelas que precisarem, acreditem que ninguém nem vocês próprias têm o direito de se minimizar ou achar que são mais fracas porque os outros não entendem que um ser humano é muito mais que um corpo, que o ser humano nasceu numa sociedade porque precisamos todos uns dos outros e não para andarmos em constante competição até para ver que nível de dor um ou outro aguenta. Isso só pode sair da boca de quem é vazio, de quem é ingrato e sem ter aprendido algo com o caminho que já percorreu.

À anónima... eu não fico zangada, fico triste. Fico triste que se ache mais doente ou mais vitoriosa que os outros. Fico triste ao saber que venceu a doença sem nada ter aprendido. Fico triste que desvalorize a dor dos outros e que se ache mais valente por ter continuado a trabalhar quando a dor lhe bateu à porta. Fico triste sobretudo que veja riqueza em dinheiro e não na possibilidade que o universo lhe deu, a oportunidade de continuar a viver e ver os seus filhos crescerem.
Anónima sorria mais, partilha a sua vitória com quem enfrenta dias negros, espalhe esperança sem julgar o caminho de cada um. Faça com que a sua vitória seja a inspiração de quem precisa.
Como é óbvio não vou aprovar o seu comentário, não por mim, não por eu ter ficado triste, mas sim porque eu sei a caminhada que muitas das minhas leitoras precisam enfrentar e eu jamais permitirei que alguém desvalorize o caminho dos outros. E deixe-me que lhe diga, procure luz que riqueza já tem e nem se deu conta. Ahhh e um ombro onde se possa encostar quando precisar, porque todos precisamos uns dos outros em algum momento da nossa vida.

19 comentários:

  1. Hoje escreveste para mim Obrigada
    Anabela

    ResponderEliminar
  2. Anónimo26.1.17

    Afinal, na cabeça de gente pequenina nós temos "tudo". Temos um salário, temos uma família que nos ama, temos uma casa e comida na mesa. Para eles isto é tudo. Mas, e nós? E não sabermos quem somos, andarmos meio perdidos sem explicação, sentir aquele aperto no peito e uma vontade incontrolável de chorar. Isso também temos, mas eles não sabem o quanto dói aquilo que não se vê com os olhos.

    Esta frase diz tudo <3

    ass. Rute

    ResponderEliminar
  3. Anónimo26.1.17

    Todos temos a capacidade de transmitir aquilo que aprendemos com a vida seja ele em bom ou em mau, parte de nós querermos passar para os outros o que aprendemos e também de quem recebe estar receptivo a receber esses ensinamentos ou a aprender com eles.
    Da minha parte aprendi com alguém que me ensinou: "Ninguém é tão pobre que não tenha nada para dar nem ninguém é tão rico que nada tenha a receber".
    Aprendemos todos os dias se assim decidirmos, se assim quisermos.
    Há dias bons, há dias maus .... é assim :)
    Beijocas no coração
    Xu

    ResponderEliminar
  4. Fantástico texto! Sublinho tudo o que diz sem tirar nem pôr... É de facto triste quando, mesmo perante as adversidades da vida, sentimos a necessidade de nos superiorizarmos ao outros como se tudo fosse uma competição. Obrigada

    ResponderEliminar
  5. Nem eu sabia que quando falávamos em guerreiras o quanto esta palavra tinha tanto sentido. Parabéns pela tua luz e energia. É tão bom quando sentimos no nosso íntimo que a nossa vida vale a pena (não pelo que temos...)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. As pessoas parece que só estão bem quando estão acima das outras ou quando as outras estão a sofrer -- epah já chega... que gente nojenta

    ResponderEliminar
  7. Anónimo26.1.17

    Fico Emocionada com cada Palavra escrita neste texto (ou em cada desabafo teu). Por vezes me revejo em cada trecho desses teus desabafos que tanto (re)leio como se estivesse a "devorar" cada palavra!
    És sem dúvida uma fonte de inspiração, um Anjo. És grande Ana e tenho a certeza que essa tua familia Linda tem orgulho em ti como tu nela. Continua a ser quem és. Porque és sem dúvida rica, uma Rica Pessoa e Maravilhosa com um coração lindo e de Ouro!

    Beijos e Abraços para ti e para tua Familia Linda,
    F.

    ResponderEliminar
  8. Mais uma vez sinto que é aqui que devo vir para ganhar mais força interior.
    Obrigada Ana!
    Manela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que nos vamos alimentando umas às outras querida Manela, um grande beijinho😘

      Eliminar
  9. Eu sou muito tua fã e gosto muito de ti! 😘

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É de sermos Ana 😂 Um grande beijinho miúda 😘😘

      Eliminar
  10. Anónimo30.1.17

    👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏 parabéns pelo seu excelente texto!!!
    Beijinhos e continue assim 😊
    Ana Paula Santos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijinho Ana Paula e mil mercis 😘

      Eliminar
  11. É uma óptima conversa com quem se calhar nem merece que tu a tenhas,mas admiro te exactamente por isso, que ainda das resposta a quem aparentemente já ultrapassou algo grave na vida mas da qual nada aprendeu,é triste quando uma pessoa escolhe a amargura e a escuridão para estar a calcar nos outros pra se sentir vivo.Eu costumo dizer cada um é que sente as suas dores e à sua maneira, todos sentimos a dor de maneira diferente e não é por eu mostrar que me dói que sou mais fraca que os outros ou eu sofrer pra dentro que sou mais forte.Ai a vida já me ensinou que hoje dói muito dores que ninguém imagina mas eu levanto me e vou a luta e tento sempre ter um sorriso pra todos e que provavelmente amanha pode doer msis como pode doer menos mas ninguem tem de levar com a minha amargura ou tristeza,nem tem os outros de se sentirem inferiores.Sabes Ana eu aprendi que rir rir muito cura muitas dores as da alma e as do corpo.Nao te conheço pessoalmente tenho orgulho em te conhecer lendo te.Dás lições e luz a muita gente com a alma muito negra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh minha Susana e tu com a tua experiência tens tanto para ensinar não só a esta anónima como a tanta gente. Quando estivermos juntas mostro-te os comentários que aqui deixou e tenho a certeza que te vais rir de tanta incoerência e ao mesmo tempo ter pena de uma pessoa que esteve quase a perder a vida, mas que agora perde tempo com merdas 😉
      Grande beijinho

      Eliminar
    2. ❤E segunda feira lá vou pra mais uma batalha com o meu maravilhoso pancreas que nunca me deixa entrar em monotonia😄se me custa não saber se sempre vou ficar melhor depois da suposta remoção das pedras sim claro que custa e muito mas se isso me faz desistir isso nunca se me faz descarregar ou achar que as lutas das outras pessoas e menor que a minha?Claro que não.Porque tens de estar tão longe?❤

      Eliminar
  12. Anónimo31.1.17

    Esse pézinho gordo é demais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É nada demais! Então, é ele que me ajuda a andar, a correr e por aí fora. Tudo na medida certa, nunca demais.
      E os braços e o peito? Não notou que também são gordos?! Caramba que anda a falhar nos detalhes :)
      Beijinho... gordo 💋

      Eliminar

Please feel welcome!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...