Lace Up


Il y a des jours où, même pour le travail je ne porte pas de talons. Un besoin de liberté ou tout simplement de me sentir plus à l'aise pour marcher pendant des kilomètres sans me soucier des possibles douleurs aux pieds.
Mais, ces tenues plus décontractées doivent avoir toujours quelques points de référence pour moi, un chapeau, une écharpe ou des chaussures qui font la différence et qui retiennent notre attention.
La tenue que je porte aujourd'hui est l'exemple parfait de comment j'aime marier le plus classique à des pièces plus actuelles et pleines de caractère.

Comme vous le savez, je suis une fan de jeans boyfriend (même si les gens continuent à dire que les rondes ne doivent pas les porter... who cares?!) et celles-ci sont ma dernière acquisition. Larges comme je les aime et en plus de ça le détail déchiré et patchwork tellement actuels.
Tout a commencé avec cette veste que j'ai depuis quelques années et que je la garde précieusement car j'adore son côté classique mais minimaliste qui me permet de jouer avec plusieurs styles. Un pull blanc pour laisser la place principale à cette écharpe qui m'a séduit le jour où je l'ai vu grâce à l'ensemble des couleurs que j'adore. J'aime la portée de plusieurs façons, je trouve que ça peut apporter directement un côté plus classe et osé.
On en parle de ces ballerines à lacets? Des vraies pantoufles et côté esthétique, des lacets et bout pointu, impossible d'être plus actuelles.
Pour les accessoires, ce collier imposant, qui fait son effet mais qui reste discret grâce à sa couleur. Des petites perles (imitation) grises en boucles-d‘oreilles et ma bague préférée, le gros cœur doré. Le petit beau sac qui reste discret mais qui a tout son charme.

Voilà une tenue qui me permet d'aller au travail avec des chaussures sans talons et en jeans boyfriend sans que la tenue perde son élégance.
Et vous, vous aussi, vous aimez ce genre de tenue plus décontractée?


Há dias em que mesmo para ir trabalhar eu não levo saltos altos. Uma necessidade de liberdade ou simplesmente para me sentir mais à vontade para andar uns valentes quilómetros sem me preocupar com as eventuais dores de pés.
Mas, estes outfits mais descontraídos têm de ter sempre alguns pontos de referencia para mim, um chapéu, um cachecol ou uns sapatos que façam a diferença e que prendam a nossa atenção.
O outfit de hoje é o exemplo perfeito de como eu gosto de conjugar algo mais clássico com peças mais atuais e cheias de personalidade.

Como sabem, sou uma fã de jeans boyfriend (sim, mesmo que digam que as pessoas gordas não as devem usar... who cares?!) e estas são a minha última aquisição. Largas como gosto e com alguns detalhes rasgados e patchwork tão atuais.
Tudo começou com este casaco que já tenho há alguns anos e que guardo preciosamente pois adoro o seu ar mais clássico e ao mesmo tempo minimalista que me permite conjugá-lo em vários estilos. Uma camisola branca para deixar o lugar principal a este cachecol que me conquistou assim que o vi pela conjugação de cores que adoro. Gosto de o usar de várias formas, acho que pode trazer logo ao conjunto um ar mais ousado e elegante.
Querem falar destas sabrinas? São verdadeiras pantufas e esteticamente, com os atacadores e com ponta bicuda, impossível arranjar algo mais atual.
Para os acessórios, este colar imponente, que faz o seu efeito, mas que acaba por ser discreto devido à sua cor. Umas pequenas pérolas (imitação) cinzentas para os brincos e o meu anel favorito, um coração bem gordinho em dourado. A minha mala pequena discreta, mas tão cheia de charme.

E pronto, um outfit que me permite ir para o trabalho sem sapatos de salto alto e com uns jeans boyfriend sem perder a elegância de um conjunto.
E vocês, vocês também gostam deste género de outfit mais descontraído?













Boyfriend Jeans: C&A
Pull/ Camisola: C&A
Écharpe/ Cachecol: C&A
Veste/ Casaco: H&M
Collier/ Colar: H&M
Chaussures/ Sapatos: Primark
Sac/ Mala: Primark
Lunettes/ Óculos: Prada

...

Desde segunda-feira que o silêncio se instalou no blog, peço-vos desculpa.
Descobri as imagens ao mesmo tempo que vocês. Não me lembrava do que tinha dito, aquela conversa foi gravada em dezembro. Sabia apenas uma coisa, eu fui transparente enquanto conversava com a A.
Fui eu, sem filtros, sem palavras pensadas. Foi uma conversa com alguém que me tinha tocado o coração, com alguém que estava ali a ouvir-me.
Emocionei-me ao ver a reportagem, as pessoas que dizem sempre "ah a televisão muda o que dizemos/fazemos", pois tenho a dizer-vos que não mudou nada do meu desabafo, não mudou nada daquilo que sou ou disse. O trabalho da A. e do R. não mudou a pessoa que sou e que eles ouviram. Toda a equipa respeitou a minha história, as minhas feridas e as minhas vitórias.
Senti muito orgulho em todos e por tudo.
Só espero uma coisa da minha partilha, que muitas mentes se questionem e que outras tantas se sintam fortes para assumirem a sua diferença sem medos, seja ela qual for.


Queria também dizer-vos que tenho tentado responder a cada mensagem, a cada comentário em forma de demonstração de carinho mas não tem sido simples. É que para além de estar num turbilhão de emoções o apoio, o carinho tem sido gigantesco e eu quero que saibam que vou ler cada palavra e também responder, pois estou aqui para isso, para partilhar e apoiar no que e puder. Não existe vergonha nem filtros entre nós. A única coisa que eu não aceito nem nunca aceitarei é o preconceito nem mesmo o "escondido", sim, aquele que diz "ahhh e tal a sua saúde"... essa diz-me respeito a mim! No dia em que e se eu precisar de tratamentos não são os "comentadores de bancada" que me irão tratar. A vida é MINHA, só. E dela faço o que quiser. As escolhas são MINHAS e acreditem que são bem conscientes, muitas vezes mais responsáveis que as daqueles que só sabem mandar para o ar preocupações mascaradas sem se preocuparem com a ferida que podem abrir na alma dos outros.

Sejam bem-vindos, sintam-se bem e felizes. Aos que já cá estavam, continuaremos sempre com a proximidade que é nossa!



Podem também ver AQUI, a minha entrevista completa.

Participação #3 - E SE FOSSE CONSIGO?

Hoje partilho convosco alguns pensamentos soltos que fui tendo enquanto passeava na página do facebook do programa"E se fosse consigo?" assim como alguns que foram surgindo enquanto realizava na minha mente que aquela "conversa intimista" seria muito mais que isso. Milhares de pessoas verão as minhas fraquezas, as minhas feridas, as minhas dores e as minhas conquistas. Coisas que sempre escondi do mundo para ser aos seus olhos alguém de muito forte e inabalável.
Hoje, dou por mim a perceber que finalmente fui totalmente transparente com o mundo, fui eu com todos os meus pontos fracos, sem medos e cheia de certeza que assim é que eu sou feliz.

Li coisas que me fizeram doer a alma, mas essas pessoas eu não posso ajudar, só elas o poderão fazer, porque desprezo ou repugnância eu nunca senti pelos seres diferentes de mim.
Mas, depois li coisas em que até dentro do rótulo "gordo" eu jamais poderei aceitar.
No programa de hoje, dia 25 de abril (logo após o jornal da noite da SIC, um pouco antes das 21h) verão imagens de Mulheres com corpos mais e menos gordos, mas todos eles considerados pelas tabelas como "acima do peso, obesos I, II e III, que na realidade toda a gente apelará como "gordo". Sim, a sociedade não quer saber em que grau de obesidade o IMC de X ou Y se situa, a única coisa que chamará para o definir (reduzir) será, gordo!
Há uns tempos uma das minhas leitoras dizia-me, "Não gosto do meu corpo porque não sou nem gorda, nem magra. Basicamente para as magras eu sou gorda e para as gordas eu sou magra". Isto é simplesmente absurdo pois ninguém, mas mesmo ninguém deve ser catalogado. Serão todos os louros, morenos, magros, altos, baixos iguais? Não, não somos porque cada individuo é único. Nunca procurem rótulos nem deixem que vos digam são isto ou aquilo baseando-se na definição de cada um.
O meu corpo é mais gordo que o da Ashley Graham, mais baixo também. E é mais magro que o da Tess Holliday, é por isso que o meu corpo deixa de ser mais magro ou obeso? Não! O meu corpo é o meu corpo, único com a sua história e sem igual!
Que tirem uma única mensagem deste programa: "A diversidade existe (e ainda bem), por isso é obrigação nossa como cidadãos respeitá-la!"

No vídeo de apresentação há uma frase minha que gostava que ouvissem. (Basta clicarem no link e poderão ver o vídeo de apresentação). 
Com isto quero dizer-vos que seja a vossa jornada longa ou mais curta não se proíbam de nada. Enquanto percorrem o vosso caminho não se anulem, não se escondam. Amem-se, respeitem-se e verão como tudo será muito mais simples, leve e eficaz!

Passeava aqui no blog e quis hoje que se inspirassem naquilo que digo na apresentação do programa de hoje, por isso deixo-vos cor, alegria e liberdade!

Vistam aquilo que vos deixa mais felizes, levantem a cabeça e aproveitem o mundo!

Participação #2 - E SE FOSSE CONSIGO?

(imagem retirada da internet)

Há uma coisa que eu gostava de vos dizer antes de continuar com aquilo que vos quero deixar hoje.
Este blog nasceu da minha vontade em ser um motor de mudança, não só em relação à sociedade, mas sobretudo para Mulheres que tal como eu passaram momentos complicados devido ao seu corpo. E seja o corpo de que tamanho for, pois preconceito sentimos assim que a nossa aparência se afasta dos ditos "padrões standard", que é como quem diz "imagens fabricadas".
Não quero que pensem sequer em sentir pena de mim ou tristeza. Nada disso. Acreditem que eu já me tornei uma Mulher forte e muito feliz por estar viva. Hoje em dia a minha missão é uma, fazer com que quem por aqui passe não desperdice mais os seus dias por causa de olhares alheios. Quero partilhar convosco algumas das situações difíceis que vivi, mas também momentos e sensações que deixei de viver por querer esconder do mundo este corpo que é meu.

Participação #1 - E SE FOSSE CONSIGO?


Foi em dezembro que apanhei o avião rumo a Lisboa. Despedi-me dele num abraço que me seria necessário, apesar de calma e serena, sabia que me esperava uma conversa sobre o tema que me levou a criar este blog.

Estava a recuperar de uma valente constipação, mas o sorriso e o brilho nos olhos por poder chegar ainda mais perto de quem ainda se vê através dos outros fazia-me querer muito que aquela conversa acontecesse.
No aeroporto estava a A. e o R. à minha espera. Sorri-lhes e tratei-os como trato qualquer pessoa, com à-vontade e com aquilo que mais me caracteriza, conversa, palavras e sentimentos que transporto comigo. Falámos de tudo e mais uns quantos assuntos em nada relacionados com aquilo que eu iria falar. Chegámos ao sítio. Cadeira no lugar e uma conversa à nossa espera. Sentia-me confiante, ouvida e aconchegada junto de duas pessoas que acabara de conhecer mas que já me diziam tanto!

A A. lembrou-me este texto, que escrevi num dia em que as lágrimas me escorriam pela cara ao relembrar cada sentimento vivido durante anos. "Nem sempre foi fácil"... foram estas as palavras que abriram o meu coração e que transportaram a A. até ao meu eu mais profundo e lhe mostraram as feridas já saradas mas não esquecidas que esta vossa Ana guarda e guardará sempre. 
Se doem a cada segundo da minha vida? Não claro que não. Se vão deixar de doer um dia? Acredito que não mas vivo bem com isso. Se me custa reviver e perceber que aquilo que eu vivi não é uma exceção nesta sociedade de máscaras? Custa, custa muito.

Wedding Guest - Jumpsuit #2


Comme je vous ai dit la dernière fois ici, pendant quelques semaines je partagerai avec vous des idées pour des tenues à porter lors de certains événements.
En ce moment, on est encore aux combinaisons, pièce à laquelle on ne pense pas forcément quand on reçoit l'invitation pour un mariage ou baptême.
Cette fois-ci je vous propose une combinaison aux couleurs neutres ainsi que les accessoires au contraire de la première combinaison que je vous ai proposé, romantique et associée à des accessoires plus voyants pour contraster avec ses lignes classiques.
Le noir et blanc est une combinaison de couleurs à valeur sûr. Pas de faux pas et l'élégance est toujours au rendez-vous. 
Cet été les chaussures blanches sont bien présentes et vous pouvez les porter sans peur. Vous pouvez aussi vous balader entre le pastel ainsi que sur les métallisés vu que ce sont des tonalités et couleurs qui se marient parfaitement entre elles sans perdre la discrétion et élégance de cette tenue.
Vu que la combinaison est sobre et discrète je vous conseille vivement de choisir des accessoires avec des détails brillants ou imposants afin de "réveiller" votre tenue.

***

Como vos disse da última vez aqui, durante algumas semanas partilharei convosco ideias de outfits para alguns eventos especiais.
Neste momento, ainda vos mostro jumpsuits, peça à qual nem sempre pensamos quando recebemos aquele convite para um determinado evento.
Desta vez proponho-vos um jumpsuit assim como acessórios de cores neutras ao contrário do primeiro jumpsuit que vos propus, de linhas românticas e associado a acessórios mais coloridos para contrastar com as suas linhas clássicas.
O preto e branco é sem dúvida uma combinação de cores segura, nada de fashion faux pas e a elegância é garantida. 
Este verão os sapatos brancos estarão mais que atuais e por isso poderão usá-los sem qualquer medo. Podem também passear as vossas escolhas entre os tons pastel e os metalizados visto serem tons e cores que se conjugam entre elas na perfeição sem que percam a discreção e a elegância do outfit.
Visto o jumpsuit ser sóbrio e discreto aconselho-vos vivamente a escolherem acessórios com detalhes brilhantes ou imponentes para que "acordem" um bocadinho o vosso outfit.


La semaine prochaine une tenue plus colorée et osée, ça vous dit?
***
Para a semana um outfit mais colorido e ousado parece-vos bem?

...'cause

Um dia disseram-me que eu não tinha corpo para usar biquínis... e eu não usei.
Um dia disseram-me que eu não tinha corpo para usar calções... e eu não usei.
Um dia disseram-me que eu não tinha corpo para usar vestidos ou saias curtas... e eu não usei.
Um dia disseram-me que eu não tinha corpo para usar roupa branca... e eu não usei.
Um dia disseram-me que eu devia ter vergonha do meu corpo... e eu tive.
E fechei-me entre quatro paredes.

***
Un jour on m'a dit que je n'avais pas un corps pour porter des bikinis... et je ne l'ai pas fait.
Un jour on m'a dit que je n'avais pas un corps pour porter des shorts... et je ne l'ai pas fait.
Un jour on m'a dit que je n'avais pas un corps pour porter des robes ou jupes courtes...et je ne l'ai pas fait.
Un jour on m'a dit que je n'avais pas un corps pour porter des vêtements blancs... et je ne l'ai pas fait.
Un jour on m'a dit que je devrais avoir honte de mon corps... et j'ai eu.
Et je me suis enfermée entre quatre murs.


Um dia EU disse BASTA!
Um dia EU disse que o MEU corpo era a única coisa realmente minha.

French Curves Challenge: Bohème


Et me voilà avec une tenue pour le challenge des French Curves (merci au soleil qui a décidé de se montrer pendant cet après-midi!).
Comme je vous l'ai déjà dit ce magnifique challenge a été créé par Gaëlle Prudencio, qui nous invite à partager le 16 de chaque mois, une tenue inspirée par un thème.
Et ce mois-ci elle nous propose de créer une tenue bohème (oui oui ça devient un incontournable avec Coachella). 
Pas besoin de vous dire que ce style c'est tout moi, ce style me fait penser aux vacances, au soleil, à la liberté que j'ai conquis depuis quelques temps.
À chaque fois que je pense au mot "bohème" il y a cette image gipsy avec une touche romantique qui me reste dans la tête et cette tenue est bien l'image de ce mélange.
Une robe blanche fluide avec des broderies sur les manches ballon, des bottines plates avec des franches, un sac pour les essentiels et une couronne pour finir le tout.
Je me voyais déjà au milieu de la foule, en train de sauter et profiter de la liberté qu'on veut de la vie. Cette tenue tellement confortable invite à de longs et bons moments entre amis. 
C'est exactement comme ça que je vois ce style bohème, tellement riche de sentiments, tellement libre et parfait pour associer à ce côté léger qu'on aime garder de la vie.

Le challenge se passe aussi sur la page facebook FrenchCurves ainsi que sur Instagram avec le hashtag #FrenchCurves.
Montrez-nous vos tenues inspirées sur le thème de ce mois-ci "Bohème".


E cá estou eu de novo para o challenge das French Curves (obrigada ao sol que decidiu mostrar-se durante esta tarde!).
Como já vos tinha dito este magnifico desafio foi criado pela Gaëlle Prudencio, que nos convida a partilhar a dia 16 de cada mês, um outfit inspirado num tema.
Este mês ela propôs que criássemos um conjunto boémio (sim sim começa a ser quase obrigatório devido ao Coachella). 
Não será necessário dizer-vos que este estilo é muito eu, faz-me lembrar das férias, do sol, da liberdade que conquistei há algum tempo.
Cada vez que penso na palavra "boémio" há uma mistura de gipsy com toques românticos que se cria na minha cabeça. Este outfit é a imagem perfeita dessa mistura.
Um vestido fluido branco com bordados nas mangas balão, umas botas curtas, rasas e com franjas, uma mala para os essenciais e uma coroa para finalizar o outfit.
Já me via no meio da multidão, a saltar e a aproveitar a liberdade que se quer da vida. Este outfit é tão confortável que convida a longos e bons momentos entre amigos.
É exatamente assim que vejo o estilo boémio, rico em sentimentos, tão livre e perfeito para associar a este lado leve que amamos guardar da vida.

O challenge também está ativo para vocês na pagina do facebook FrenchCurves assim como no Instagram com a hashtag #FrenchCurves.
Não hesitem em mostrar-nos como este tema "Boémio" vos inspira!


















Robe/Vestido: La Redoute
Bottines/ Botas et Sac/Mala: Dosenbach/ Deichmann
Bagues/ Anéis et Bracelet/ Pulseira et Collier/ Fio: Primark
Couronne/ Coroa: Foire Médieval Óbidos (Portugal)

Regardez et n'hésitez pas à visiter ces beautés!
Vejam e não hesitem em visitar estas belezas!


Wedding Guest - Jumpsuits #1

Il y a déjà quelques semaines, j’ai reçu deux demandes à propos du même thème. Les demandes avaient toutes une question en commun "Ana, je suis invitée à un mariage, que dois-je porter? ".
Soyons honnêtes, sur internet on peut trouver mille et une options pour les corps dit de "taille standard" mais et pour nous? Femmes modernes, jeunes, rondes et pleines d'attitude... très peu de suggestions. J’ai décidé alors de partager avec vous aussi quelques-unes des tenues pour ces jours de fête. Je dois aussi vous dire que je ne suis pas fan de vêtements achetés uniquement pour une occasion spécifique. Quand j’achète des pièces je dois être sûre que je vais les utiliser à d'autres occasions et ce ne seront pas des pièces à garder dans la garde-robe en attendant d’autres invitations. En fin de compte, on veut qu’un investissement soit rentable.

***

Há já umas semanas que recebi dois pedidos acerca do mesmo tema. A pergunta comum era "Ana, fui convidada para um casamento, o que devo vestir?".
Vamos ser sinceras, pela internet fora encontramos mil e uma opções para os corpos chamados de "tamanhos standard" mas e para nós? Mulheres modernas, jovens, roliças e cheias de atitude... muito poucas sugestões. Por isso, decidi partilhar convosco uns quantos outfits para estes dias de celebrações. Tenho também a dizer-vos que não sou fã de roupa comprada só e apenas para aquela ocasião. Gosto de comprar peças que sei que irei usar em outras ocasiões e que não ficará ali no roupeiro à espera de mais uns convites. Afinal um investimento quer-se rentável.


Pour cette première suggestion j’ai choisi cette combinaison super romantique riche en dentelle tellement à la mode en ce moment. Un col en V et une petite ceinture dans le même tissu à la taille sont des détails qui favorisent notre apparence. Comme c’est une couleur discrète mais pleine d’élégance on se « vengera » sur les accessoires ainsi que sur les chaussures. A vrai dire il faut toujours une petite note d’irrévérence pour marquer notre présence. Donc, je vous conseille de créer des contrastes de couleurs entre les chaussures et la pochette. Imaginez ces belles chaussures jaunes avec la petite clutch avec des diamants ou même celle avec des arabesques. Et pourquoi pas des chaussures rouges avec la clutch bleu foncée ou encore celle avec des motifs.
Si vos choisissez les chaussures de la même couleur que la combinaison (même si des tonalités différentes) misez sur une clutch totalement différente. Pourquoi pas un rose pastel tellement présent cette saison?
Et ces boucles d'oreilles Bijus Patty que je trouve apportent une touche délicate à l'ensemble.
Je ne mettrai pas beaucoup d'accessoires, peut-être un bracelet et une bague discrète, très fine mais pas très voyants pour ne pas créer de confusion visuelle et ne pas « voler la vedette » aux autres pièces.
Tout cela pour vous dire, laissez travailler votre imagination, mélangez les couleurs, osez! Comme ça nous pourrons garder l'élégance d'une pièce plus classique, mais créer un ensemble actuel, moderne et jeune.

J’espère que vous aimez et que cela vous inspire, mais pas de stress car je partagerai beaucoup d’autres options et je suis sûre que vous trouverez ce que vous cherchez !

***

Para esta primeira sugestão escolhi este jumpsuit super romântico que nos traz a renda tão actual neste momento. Um decote em V  assim como um pequeno cinto no mesmo tecido na zona da cintura são detalhes que favorecem a nossa aparência. Como é uma cor discreta mas cheia de elegância vamos "vingar-nos" nos acessórios assim como nos sapatos. Afinal um toque irreverente deve marcar a nossa presença. Por isso, aconselho-vos a criarem contrastes de cor entre os sapatos e a pochette. Imaginem ali aqueles sapatinhos amarelos com a pochete com diamantes ou até mesmo a de padrão. E porque não uns sapatos vermelhões com a pochette azul escura ou também a de padrão.
Para os sapatos da mesma cor (mesmo que tonalidades diferentes) apostem numa pochette totalmente diferente. Porque não um rosa pastel mais que actual nesta estação?
E aqueles brincos da Bijus da Patty que eu acho que trazem aquele toque delicado ao conjunto. 
Não carregaria muito mais nos acessórios, talvez uma pulseira e um anel fininhos, discretos para não criarem confusão visual nem roubarem protagonismo ao resto das peças.
Tudo isto para vos dizer, deixem a vossa imaginação fluir, misturem cores, ousem! Só assim conseguiremos guardar a elegância de uma peça mais clássica mas criar um conjunto actual, moderno e jovem.

Espero que gostem e que a inspiração vos chegue, mas nada de stress que ainda verão por aqui muito mais opções e tenho a certeza que encontrarão aquilo que procuram.

Be Happy!


Antes de mais quero pedir-vos desculpa por não ter dado notícias há muitos dias, mas infelizmente devido a um pequeno acidente fiquei com uma mão lesionada o que não me permitia escrever como habitualmente devido aos pontos, mas também às dores.
Mas já estou melhor e isso é o mais importante. 

Como tinha escrito este texto a semana passada, acho que seria bom partilhá-lo convosco visto que não consegui publicar antes.

De vez em quando dou por mim a clicar em links de blogs apenas no intuito de conhecer novos espaços até que dei por mim a ler um texto que me deixava com o interior a tremer e ao mesmo tempo a ser invadida por uma tristeza que me fez escrever algumas linhas.
Para resumir um bocadinho, os textos sobre "felicidade" e positivismo (ou o oposto) que li diziam que NÃO devemos "vender" aos nossos filhos a ideia de que "Querer é poder" pois esta ideia é um erro enorme e um caminho certo à deceção e depressão. (Really?! Só existia uma pergunta que me corria na cabeça enquanto lia aquilo... "será que a autora alguma vez passou por um estado depressivo?!).

Percebi então que aqueles textos eram escritos por Mulheres saídas de universidades, cheias de teorias filosóficas (ou não) mas sem aquilo a que eu chamo "o lado humano da gente". Diziam por la que o ser humano não pode tudo na vida porque não pode controlar tudo. E eu pergunto-me que história é esta de controlar "tudo"?!
A sociedade ocidental está de tal maneira focada no que é material e fechada dentro de uma caixa onde nos encurralam o pensamento que assim que falamos em sonhos, vontades, desejos tudo isto é associado automaticamente à palavra "controle" e não mais aquele esquema que um sonhador faz questão de criar, que é: um desejo = poder (desejar, querer) = sonho!
Mas segundo as tais bloggers está errado dizer que um desejo, sonho se deve associar à capacidade de conseguir (aka poder). Não, nada disso! A palavra poder segundo estas pessoas deve estar associada à palavra "controlar".

DIY #9 - Step stool


Et me voilà à nouveau avec un do it yourself comme tous les lundis. Aujourd'hui je partage avec vous l'un des plus simples à faire et des moins chers aussi!
Les enfants à la maison grandissent (trop) vite et n'ont plus du tout envie des décors avec des petits dessins qu'on prépare dès leur naissance.
C'est donc pour ça que j'essaie de m'adapter à leurs goûts sans gaspiller beaucoup d'argent.
Mon fils, âgé en ce moment de 11 ans m'a demandé quelque chose de plus "Londres", oui ça m'a bien fait rigoler vu que je me rends compte que les voyages les inspirent et c'est vraiment la plus grande richesse que je puisse leur laisser.
On a commencé avec le gris, rouge, noir mais sans que ce soit sombre. Pour la table de nuit, chose qu'il n'a jamais eu avant, on a décidé de personnaliser un escabeau de chez ikea qu'on avait acheté mais qu'on utilisait rarement.
Rien de plus simple, j'ai poncé avec du papier ponçage et aspiré toutes les poussières.
Avec un pinceau j'ai appliqué sur les "marches" une base blanche pour bois et j'ai laissé sécher. Dès que c'est sec vous pouvez appliquer la première couche de peinture (couleur au choix) à l'aide d'un rouleau ou d'un pinceau. Laissez bien sécher et poncez à nouveau mais délicatement. Aspirez les poussières et appliquez une deuxième couche de peinture.
Et voilà, laissez sécher et vous avez une "table de nuit", que vous pouvez personnaliser à votre goût!


E cá estou eu de novo com um faça você mesmo como todas as segundas-feiras. Hoje partilho convosco um dos mais simples e também mais baratos!
Os miúdos cá de casa crescem rápido (demais) e já não querem aquelas decorações de bebezinhos que preparamos antes deles mesmo nascerem.
É por isso que tento adaptar-me aos seus gostos sem gastar muito dinheiro.
O meu filho, de 11 anos neste momento pediu-me algo de “Londres”, sim fez-me rir ao ver que as viagens são para eles uma fonte de inspiração e essa é a verdadeira riqueza que lhes posso deixar.
Começámos pelas cores, cinzento, vermelho, preto, mas sem que o ambiente se tornasse sombrio. Para a mesa de cabeceira, coisa que nunca teve anteriormente, decidimos aproveitar um escadote que tínhamos comprado no Ikea mas que raramente utilizávamos.
Nada mais simples, lixei o escadote com lixa para madeira e aspirei de seguido o pó que se criou.
Com um pincel apliquei nos degraus um primário branco usando um pincel e deixei secar. Assim que secar podem aplicar a primeira demão de tinta (na cor à vossa escolha) com um pincel ou com um rolo. Deixem secar bem e lixem novamente desta vez ao de leve. Aspirem novamente e apliquem uma segunda demão de tinta.
E pronto, deixem secar e têm assim uma “mesa de cabeceira”, que podem personalizar ao vosso gosto!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...