Self-Acceptance


Sei que hoje devia estar aqui a mostrar-vos um look para o desafio que criei há uns meses, o Portugal Curvy, mas não consegui. A vida pregou-me umas partidas e eu não consegui fotografá-lo até agora por isso marcamos encontro segunda-feira aqui no blog sim?

Mas, hoje achei que seria o momento certo para vos falar de algo que debati esta semana com duas pessoas que conheço. As mudanças do corpo.
Quem me acompanha de outras jornadas sabe que foi em 2011 que entrei pela primeira vez num ginásio com a determinação e força de uma guerreira. Sabe que me estava ainda a reconstruir. Sabe que não foi fácil, mas eu estava naquele momento a entrar no meu caminho, a assumir as minhas vontades e a perder a vergonha de amar a pessoa que sou. E tal como vos disse neste desabafo, eu sou muito mais que um corpo.
Eu não me amei, aceitei porque perdi peso! NADA disso! Eu trabalhei aquilo que me doía durante muito tempo com a ajuda da minha hipnoterapeuta, eu reergui a pessoa que sou. Ao querer fazer desporto, ao querer escolher conscientemente tive como consequência a minha perda de peso.
Para muitos não foi nada (who cares?!), para mim foi o que precisava para me sentir em sintonia com o meu corpo, foram 25kg perdidos em anos, foram caminhadas e quedas que valeram muito a pena. Continuei gorda e sinto-me bem comigo mesma. Se continuar a emagrecer então será uma consequência das minhas escolhas saudáveis e sem nunca por a minha saúde em risco.
No inicio do ano de 2014 eu decidi retirar o excesso de pele que tinha caído na barriga, aquela pele que escondia a minha "parceira", aquele excesso de pele que quando eu subia escadas a correr batia nas pernas e me deixava envergonhada pelo barulho que fazia, aquele excesso de pele que em pleno verão criava assaduras na dobra e me obrigava a andar de cremes atrás, aquele excesso de pele que me obrigava a usar leggings de lycra super justos em pleno verão para eu poder fazer desporto, correr, saltar sem que se ouvisse o barulho da pele a bater nas minhas pernas.
Foi em fevereiro de 2014 que decidi que aquela pele fazia parte do meu passado e não mais de mim. Leram bem, eu DECIDI, isso mesmo, com a força e garra que ganhei ao longo dos anos eu tomei a decisão de fazer o que me apetecia sem pensar no que os outros iriam pensar, dizer. Há melhor sinal de liberdade que aquele que mostra que fazes o que te dá na real gana, sem medo de julgamentos alheios?! 

Na conversa desta semana com as pessoas que conheço, uma delas submeteu-se a uma abdominoplastia depois também ela de emagrecer consideravelmente. As pessoas em questão no seu discurso davam a entender que era ou poderia ser contraditório a mensagem de autoaceitação vs remoção de pele.
E isto, confesso, mexeu com as minhas entranhas. Mexeu comigo pelo simples facto de que eu sempre vos disse que NUNCA para mim autoaceitação significa comodismo. Sempre fiz questão de vos dizer que somos muito mais que um corpo, somos muito mais que uma imagem e por isso amem-se. Sempre vos disse, façam aquilo que vos der na real gana sem se preocuparem com aquilo que a sociedade considera como certo/errado. Seria amor-próprio eu castigar-me e obrigar-me a aceitar aquele excesso de pele que eu nunca achei bonito e sempre me envergonhou pelo barulho que fazia?! Seria justo eu obrigar-me a passar a gostar de estrias e celulite? Aceito que são sinais do tempo e consequências da vida, aceito, mas continuo a ter gostos e só gosto do que quero!
Quantas das minhas leitoras partilharam comigo que depois de me encontrarem se dedicaram mais a elas próprias? A procurar terapeutas, a fazer mais desporto, a investir em peças de roupa sem ser a típica t-shirt/legging?! Quantas?! E sempre foi isto que defendi e continuarei a defender! Invistam em vocês, amem-se primeiro que as mudanças físicas virão (ou não) como consequência se assim desejarem!
É também neste texto e em muitos outros aqui no blog que vos digo que sempre fui contra o preconceito em geral, não ando aqui a promover a obesidade, nem o meu corpo, nem cirurgias e muito menos o comodismo.
Aquilo que defenderei sempre é "Façam o que vos apetecer sem medo do julgamento alheio". Se maquilhar vos deixa mais felizes, força nisso. Se andar de cinta em pleno verão vos deixa mais felizes, força nisso! Sempre defendi que devemos fazer tudo o que nos apetece nesta vida pois ela passa rápido demais, sem por a saúde em perigo. E jamais deixem que os outros condicionem as vossas escolhas, a vossa vida. JAMAIS!

Que fique bem claro, eu AMO a pessoa que sou, as minhas crises de TPM que antes eram sinal de brigas, hoje acabam sempre por nos fazer rir. Amo a teimosia que me caracteriza. Amo a sensibilidade e energia que tenho. Amo como me dou a quem me procura.
Aceito muito o corpo que tenho, afinal deixei de o esconder.
Se gosto dos meus braços flácidos? Não! Por isso continuo a puxar naquela corda no ginásio. Se os escondo? Nunca mais!
Se gosto das minhas estrias, da minha celulite? Não. Mas aceito. Aceito que é algo natural, que são consequências de uma vida e não são mais estes detalhes corporais que me isolarão do mundo.
Se aparecesse uma cirurgia que eliminasse definitivamente as estrias e a celulite para sempre, será que eu o faria? Muito provavelmente sim, desde que não pusesse em perigo a minha saúde!
Se isso faz com que eu me aceite menos perante a sociedade?! Não! Eu não me amo menos ou mais porque quero melhorar o meu corpo, eu não me aceito menos ou mais por isso. Afinal eu até acho a minha cara gira e de vez em quando uso maquilhagem!

Gente, o julgamento fácil encontrará sempre o caminho mais curto para tentar desconstruir alguém ou descredibilizar a sua mensagem, mas que fique bem claro, a minha mensagem será sempre "Façam aquilo que quiserem na vida, sem medos, sem receio do julgamento alheio. Vão e façam o que vos deixa felizes. Amem e aceitem quem são, somos muito mais que um corpo e esta vida merece ser vivida".
Sim, fiquei com uma cicatriz ao fundo da barriga, sim a gordura continua no meu abdómen, sim eu hoje posso correr e saltar sem fazer barulho com a pele a bater nas pernas, sim eu hoje já vejo a minha "parceira" sem ser ao espelho. Não eu não o fiz para ser magra, não eu não tirei gordura, não eu não fiquei com uma barriga lisinha, aquela pele já estava a mais no meu corpo, assim como todas aquelas feridas que deixei para trás pois vinham de um passado que não fazia mais parte do meu presente.
E já agora ficam a saber que deixei para trás aquele pedaço de pele (foram 2kgs de pele pendurada...), mas também deixei para trás um umbigo descaído e ganhei um que não acho nada bonito.

E depois de tudo isto, depois de 31 anos de vida continuo a dizer-vos "AMO quem sou e aceito cada centímetro deste corpo apesar de estar carregadinho de coisas que não acho bonitas".


Será que fui clara, transparente e objetiva com a mensagem que quero deixar para sempre neste blog?! Espero de coração que sim!

19 comentários:

  1. Respostas
    1. Oh minha querida Silvia, tento ser o melhor que consigo, só isso.
      Um grande beijinho.

      Eliminar
  2. Ana,
    Já te leio há uns tempos e a mensagem sempre foi clara para quem a quer ler.
    Eu ganhei uma pele dessas com a gravidez e gostava muito de a perder também. Por isso pergunto como é a recuperação dessa cirurgia e se recomendas algum local/médico onde possa ser feita?
    Grata!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu sei bem que andas por aqui há uns tempos sim... dizer que esta "brincadeira" já vai fazer um ano este mês...
      Olha eu desde as três gravidezes que fiquei com "barriga partida" mas com gordura por isso de nada servia queixar-me porque não havia solução. Depois de perder peso é que aquilo que eu achava enorme se tornou gigante, pele mesmo caída em que parecia que tinha um saco ali todo enrugado... para teres noção quando vestia o pijama e subia as escadas aqui de casa mais depressa aquela pele batia nas pernas e fazia um barulho que me envergonhava e me fazia sentir mal.

      Que me dizes de eu fazer um post a contar a minha experiência? Pode ser?
      Beijinho Ana

      Eliminar
    2. Digo-te que acho excelente! E que esse aniversário merece uma comemoração!
      :)

      Eliminar
  3. Exatamente o que eu precisava de ouvir hoje. É ótimo chegar ao patamar que estás, és uma grande inspiração (eu estou quase lá). Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E chegarás tenho a certeza <3
      Quando começamos e vemos o quão maravilhoso é o que nos espera não desistimos mais.
      Um enorme beijinho

      Eliminar
  4. Excelente texto, Ana. Essa também é uma conversa que tenho muitas vezes. Aceitação (e amor!) não é comodismo. Eu amo-me até ao tutano, mas não é por isso que não há coisas que gostaria de mudar. E isso é normal e saudável, querermos melhorar o nosso eu - seja isso perder barriga, tonificar o que quer que seja, ou trabalhar no nosso mau feitio! Mas, e aqui é que estar o truque, não podemos odiar-nos durante o percurso. Uma mudança não tem que ser de mau para bom, pode perfeitamente ser de "ok" para "melhor", e isso não tem mal nenhum, desde que não se prejudique ninguém (nem a nossa saúde) e desde que isso nos faça bem!

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que as pessoas que tendem a criar julgamentos por tudo e por nada se lançam a misturar as coisas por isso mesmo, ficam-se pelo básico e confuso para poder apontar dedos.
      O físico e o feitio é essencial serem aceites por nós para que possamos melhorar aquilo que NÓS sentimos que pode ou não ser trabalhado.
      Fico mesmo feliz em ver Mulheres como tu por aqui. Obrigada!
      Beijinho

      Eliminar
  5. Bom Dia Ana,

    Que grande texto, realmente tens uma sensibilidade para as palavras, incrível :)
    Eu não sou contra a tratamentos de estética, desde que não ponha em perigo a nossa saúde e que nos faça sentir bem, acho muito bem! Se te fez e faz feliz fizeste muito muito bem!

    Beijinhos
    E.H

    P.S. Eu cá continuo na minha caminhada com dias mais difíceis que outros. Vir cá ao blog dá me força para continuar :) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembra-te, estás na tua caminhada, naquela que te faz feliz, naquela que te faz viver a vida. Nada deve ser castigo, devem sim ser escolhas que te façam sentir viva. E eu estarei por aqui sempre que precisares.
      Beijinho grande

      Eliminar
  6. Tambem fiz uma abdominoplastia na sequencia de uma cesariana que me deixou a ja referida prega.
    O meu conselho e que falem com o vosso ginecologista e lhe peçam um contacto de um cirurgiao plastico. Ele sabe,de certeza!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As gravidezes também me deixaram uma prega... que com a perda de peso se tornou um lençol como lhe chamou o cirurgião.
      Por acaso não sabia que a ginecologista poderia aconselhar, obrigada!
      Irei fazer um post com a minha experiência, nunca se sabe se poderá ajudar.

      Eliminar
  7. Eu também perdi muito peso, perdi cerca de 70kg no total e fiquei com excesso de pele, principalmente nos braços e na barriga. Adorava fazer plástica quanto a barriga principalmente, mas tal como tu não para "ser magra e bonita" - porque linda já sou - mas incomoda-me de várias formas principalmente quando faço exercício físico e quando compro roupa interior (devido ao tamanho e altura).
    Não sei se alguma vez será possível devido às condições financeiras, mas independentemente eu estou muito feliz tal como sou fisicamente, com "defeitos" e qualidades :)

    E acho que não é ser hipócrita ser-se feliz com o nosso corpo, declamar amor próprio pelo o seu corpo e fazer alguma plástica - ao querer mudar por uma boa razão é o mesmo que amor próprio. E digo mais - se é possível, porque não?

    Também gosta de colocar implantes mamário, só encher se é que me entende, nada de mais. Talvez com sorte e com tempo :)

    Óptimo texto <3

    ~Carla'C

    ResponderEliminar
  8. Não sei como alguém poderia dizer melhor!!!
    A aceitação de nós próprias não passa só pelo corpo, mas sim por aceitar também os nossos defeitos, qualidades, desejos, objectivos, etc. Só aceitando quem somos (por dentro e por fora) conseguiremos ser verdadeiramente felizes. E não há ninguém que tenha o direito de dizer-nos o que devemos aceitar ou gostar. Isso depende apenas de nós!!
    Neste momento debato-me com a aceitação de algo muito profundo em mim e sei que só depois de o aceitar poderei mudar e melhorar isso...
    Por isso acho o teu texto tão inspirador e tão adequado a todas as pessoas e muito mais situações do que a aceitação do corpo ;)
    Beijinhos e parabéns pela dedicação e coragem que demonstras no teu blog.
    Rita Completo, consultora de imagem
    www.ritacompleto-consultoria-imagem.com/

    ResponderEliminar
  9. As tuas palavras são sempre tão sentidas minha querida! =)
    Ainda bem que consegues chegar a tantas mulheres e passar a tua história como inspiração.
    beijinho da Ana

    ResponderEliminar
  10. Bom dia,
    Muitos parabéns por este texto! Espero sinceramente que alcançe muitos leitores.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Feel welcome!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...