"Here"


Este é provavelmente um dos textos que mais me custará escrever, mas sei que eu preciso, que nós precisamos.
Uma das perguntas que mais me enviam é para saberem como cheguei "Aqui".
"Aqui", esta palavra que me põe num estado de plenitude, equilíbrio, confiança em mim e nos meus dias. Aqui. Onde ando de cabeça erguida, sem o peso de um passado aos ombros que me deixou durante anos "corcunda" a olhar para o chão com vergonha por existir.

Este é certamente um daqueles textos que nunca acabam com um ponto final.

Depois da minha passagem pelo programa "E se fosse consigo?" muita gente passou a conhecer um bocadinho do meu passado, daquelas que foram feridas e hoje são cicatrizes. Daquelas coisas que mexem comigo apesar da minha vida ser tão sorridente hoje.
Perguntam-me como fiz para chegar aqui. Infelizmente não posso escrever um manual de instruções, e como eu amava poder fazê-lo. Mas posso partilhar convosco a minha caminhada, talvez assim percebam as fases negras que vos esperam para poderem brilhar com toda a luz que cada um de nós merece.

Como sabem, cresci numa família que em nada corresponde aquilo a que podem imaginar como núcleo, bolha, tribo... família.
Infelizmente desde muito cedo que percebi que eu não era igual a quem contava as brincadeiras e experiências familiares do fim-de-semana. Percebi que me chamavam "bicho-de-mato" por eu não rir à gargalhada e por me isolar.
Refugiei-me tantas vezes naquela ama que era quem eu admirava como Mãe. Que fazia rissóis, pão caseiro e doce de tomate para as suas crias, e eu que sempre quis ser a cria dela...
Lembro-me de à tarde fingir que estava doente, de lhe pedir que lhes dissesse que eu estava doente que podia lá ficar a dormir. E ela deixava. E alinhava naqueles pedidos de uma miúda que só queria fugir de casa.
Um dia escrevi-lhe uma carta, faltava-me a coragem para lhe dizer em voz alta tudo o que me doía. Escondi aquela carta no quarto. Eles descobriram-na. Levei tanta porrada que ficou marcada no corpo. Percebi que as minhas dores seriam sempre silêncio e nunca poderiam passar disso.
A vida afastou-me dela. A vida foi ainda mais cinzenta. E eu achava que nunca seria de outra cor. Mas foi, é.

Um dia os dias passaram a ser negros, já não queria mais. Não valia mais a pena arrastar-me pelos dias à espera que algo acontecesse ou que eles um dia olhassem para mim e me pedissem perdão, que um dia me dissessem que me amavam.
Mas esse dia felizmente foi o dia em que as coisas começaram a mudar mesmo sem eu perceber.

Depois de muito tempo fechada em casa, depois de muita medicação, depois de muitas idas e voltas entre a cama e o sofá da sala, alguém me disse, "eu sei que pode não ser a solução, mas vou marcar consulta para o meu neurologista e ele vai encaminhar-te". E assim foi.
Cheguei aquela que será para sempre a peça-chave da minha mudança.

Ela ouviu da minha boca coisas que ninguém nesta vida ouvirá de mim. Ela não me julgou nem disse que o tempo cura tudo. Ela juntou as peças e ajudou-me a colar.
Ela fez-me perceber que pais que não amam existem muitos e que se não amaram uma criança não nos vão amar mais tarde por isso essa ideia, esperança minha tinha de acabar. E acabou.
Afastar-me definitivamente daqueles que me fizeram tanto mal, daqueles que me consumiam a energia que me restava foi A grande mudança. Foi o passo essencial. Depois sim, eu pude evoluir. Não foi num piscar de olhos e muito menos num estalar de dedos.

Chorei, chorei horas a fio até ficar de rastos de tão cansada. Disse imensas vezes que estava farta. Disse vezes sem conta que eu não precisava de mais e que estava tudo bem. Aquela mania de achar que estamos a ser egoístas porque estamos a cuidar de nós. Aquela ideia de que estamos a gastar dinheiro mal gasto e que é tudo "pancadas" nossas que podemos curar com o tempo.
Já chega, já chega de acharmos que podemos resolver tudo com o tempo e que as coisas vão passar.

Queria poder dizer-vos que devem seguir o X ou Y passo, mas não posso. Não posso porque para chegar "aqui", onde a vida é leve e onde nos tornamos fortes é preciso um longo caminho.
Um caminho onde se perde a vergonha de sentir, onde os sentimentos saltam cá para fora sem filtros, sem travões. Onde é preciso fazer escolhas que muitas das vezes acabam com os nossos desejos e esperanças. É um caminho longo, em que rastejamos, em que apagamos das nossas vidas pessoas que deviam ter sido as mais importantes, em que os olhos inundam de lágrimas vezes sem conta e as nossas unhas cravam o nosso corpo na esperança de acabar com tanta dor.
Mas é assim mesmo.
É escavar um buraco tão fundo, que reviramos as entranhas para deitar tudo cá para fora. Para sermos apenas vazio. E é esse vazio que reconstruimos pouco a pouco com a certeza daquilo que nos deixará para sempre leves, livres daquilo que nos pesava e muito fortes para encarar os dias da vida que ainda nos esperam.

Eu sei que se me estás a ler ainda na fase em que os "porquês" te assombram, os "se" não te deixam avançar, vais chorar, vais dizer "quem me dera", "porque é que eu não consigo". Mas, tenho uma certeza para te dizer, podes tudo sem mas. Apenas tens de respirar fundo e dizer é agora. Caramba é agora. Agora vais enfrentar os teus medos, as tuas dores e frustrações. É agora que vais entrar num buraco ainda mais negro para soltares todas as correntes que te prendem a esse estado cinzento. És tu e só tu que podes investir em ti. Criar um vazio absoluto em ti e preenchê-lo com aquilo que precisas para chegar "aqui".

Não o tempo não cura tudo se TU não trabalhares em ti. Não, não és parva nem estúpida por carregares aos ombros essa dor que ninguém entende.
Só TU, só tu podes sofrer o que ainda há para sofrer para depois dares o valor que realmente tens.
Afasta quem te faz mal e quem te deixa carregar esse peso. Procura quem te vai dar a mão para te guiar nas etapas que serás obrigada para seres leve, livre e muito forte.


Vá, vai lá. Assume que precisas de ajuda. Assume que dói e perde a vergonha desses sentimentos que todos fazem questão de ensinar a esconder. Vai! Mando eu!

36 comentários:

  1. Muito obrigado Ana. O Mundo necessita de mais humanos como tu. Gratidão 😘

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De mais sentimentos só ;)
      E de humanos como nós que os assume sem vergonha.
      Um beijinho grande Fátima

      Eliminar
  2. Ana, escrevi para o teu email q esta no blog. Espero que tenhas visto��.
    Quanto ao jumpsuit ainda nao experimentei nenhum. Essa cor fica-me bem porque tenho uma blusa assim e gosto. Vou ver se tenho coragem para o usar. Vai ser um problema porque visto 50 na parte de cima e 42 na parte de baixo��. Vou ter de arranjar uma costureira para mo apertar em baixo.
    Alguem em Lisboa conhece uma boa costureira para eu mandar fazer umas blusinhas?Natalia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Natália :)
      Sobre o email, tenho a caixa de emails cheissima e ainda ando a responder a emails de há quase um mês. Com que email me escreveste?
      Sobre o jumpsuit, olha que é uma questão de experimentares para ver como fica porque a parte de baixo mais larga, com um efeito culottes largas é capaz de ficar muito muito giro.
      Infelizmente não conheço nenhuma costureira por aí, mas quem sabe alguém possa ajudar ou até mesmo na loja eles terem esse serviço ;)
      Beijinho

      Eliminar
    2. Mandei para o gmail....mas assinei o meu nome verdadeiro Maria Manuela! LOL

      Um grande beijinho! És uma grande inspiração para muita gente!

      Eliminar
  3. Linda Ana! Como és grande!

    Quando vi a tua entrevista fiz questão de te dar os parabéns, porque achei incrível a forma "nua" com que te apresentaste. Como é possível sair de um lugar de isolamento de vergonha e depois apresentares-te ao mundo dessa forma?!

    Mais um lindo texto de incentivo! Sei que temos muitas meninas no nosso grupo que estão a ultrapassar uma fase difícil e tu à tua maneira quiseste acrescentar algo. Passar para elas um pouco da tua energia para, também elas conseguirem trilhar o seu caminho.

    És linda!

    Beijinhos da Emília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada de coração minha querida Emília.
      Nada acontece de um dia para o outro e eu acho essencial partilharmos experiências e que pelo menos aquele caminho tão longo possa valer agora a pena também para ajudar outras pessoas.
      Um grande beijinho

      Eliminar
  4. A minha admiração, Ana. Porque és coragem. Porque és renascimento. Porque és partilha. Porque és superação. A minha admiração mesmo. Por TI!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida MariaXL se um dia puderes imaginar a importância que essas palavras têm para mim podes mesmo considerar-te a pessoa mais poderosa do mundo.
      Um gigante abraço apertado.

      Eliminar
  5. Magnífico <3 obrigado <3
    Para mim estes últimos dias têm começado a ser leves, obrigado <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico tão feliz por ler isto Jessica! Isto sim é o que faz valer a pena. Obrigada eu!
      Beijinho gigante

      Eliminar
  6. Li...reflecti...voltei a ler, apenas para tentar perceber bem a dimensão das questões!
    Já uma vez...ou escrevi ou pensei "Ana, tu és Grande" (em nobreza de caracter,não falo agora de medidas de roupa, que para além de eu,qto ao peso, ser do grupo dos 3 digitos, cabe agora pensar noutras coisas). Rendida a este texto riquissimo e muito grata a ti só me apetece escrever pouco mas dizer te do fundo do coração " Ana, deixas me dar te um abraço apertadinho?" Tu és Grande!!!!!! Obrigada! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Entre nós aquele ponto de interrogação nem sequer tem lugar. Um gigante abraço apertado por tudo aquilo que tem sido para mim <3

      Eliminar
  7. Minha querida,
    Muitas vezes já me disseram que tenho mesmo ar de "dondoca", de menina que nunca teve de lutar pela vida. De quem tem tudo de mão beijada. Não podia estar mais longe da realidade...
    Não costumo falar nos meus problemas. Pelo menos não a toda a gente. Muito poucas pessoas sabem o que se passa ou passou na minha vida, e muitas menos as que sabem a minha história completa. E quando alguem finalmente sabe de tudo, fica normalmente boqueaberto a perguntar como é que consigo ser “sã”.
    A verdade é que não sou sã. Acho que ninguém o é completamente. Todos nós temos os nossos problemas. Cada um de nós tem a sua maneira de lidar com esses problemas.
    Há alturas em que queremos fugir do que nos assombra, mas não conseguimos. E por isso o essencial é mesmo encarar os problemas. Se não há solução, é mesmo chorar. Berrar. Deitar tudo cá para fora.
    Se houver um amigo que consiga ouvir os desabafos sem tentar remendar as coisas melhor. Sabe sempre bem quando alguém simplesmente ouve.
    Nem sempre é fácil encontrar alguém que nos compreenda. Nem é essencial. Acho que na maioria das situações as maiores “dores” e desilusões existem porque temos expectativas. Porque esperamos que um pai ou uma mãe sejam as melhores pessoas no mundo. Que um irmão se preocupe. Que um parceiro nos ame para sempre. Que um amigo nunca nos abandone. Mas ninguém é perfeito...
    Há alguns anos, uma pessoa que tinha em muito alta estima (e que eventualmente me desiludiu tremendamente...) tentou abrir-me os olhos e disse:”Sabes aquelas pessoas que conheces e detestas? Aquele colega de trabalho de má indole? Aquela mulher que critica toda a gente no café? São da família de alguém. “ E é verdade.
    Mesmo eu já falhei de certeza em alguma altura da minha vida e posso até nem ter dado por isso. Mas tento ser uma boa pessoa. Uma boa pessoa genuinamente. Porque sei que quem vê caras não vê corações e nunca sabemos aquilo por que outra pessoa está a passar. Às vezes basta um sorriso para melhorar o dia de alguém!
    Acho que cada um deve dar espaço e tempo a si mesmo para se 'curar' ou simplesmente melhorar. É preciso saber admitir quando somos nós que precisamos de uma palmadinha nas costas. Mas também é preciso saber que tudo tem um limite e que não podemos prejudicar a nossa própria auto-estima por causa dos atos de outra pessoa. Por coisas que não podemos controlar.
    É preciso chorar, berrar, desabafar, exaustar o tema e seguir em frente. E há mágoas que não passam nunca mas que fazem parte de nós.
    As coisas más por que passei na vida fazem com que seja hoje mais agradecida pelas coisas boas que tenho. Formaram a minha personalidade e eu gosto muito de quem sou hoje em dia. Eu também estou mais perto de 'lá' chegar, mas é um work in progress. Sempre.
    Acho que és um grande exemplo de como se sobrevive e se triunfa. E espero que isso seja o suficiente para inspirar as pessoas que por aqui passam à procura de uma luz.
    Beijinhos!
    Carolina

    BigGirlsLoveFashion.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que testemunho maravilhoso! Obrigada de coração por esta partilha. Digo sempre que saber ouvir é coisa que se perdeu com o tempo e só quem um dia precisou de um ouvido sabe hoje escutar o silêncio.
      Acredito mesmo que se todos tentássemos ser o melhor que podemos ser (mesmo que cheios de defeitos como TODOS temos) as coisas correriam bem melhor.
      Um grande beijinho e mais uma vez, obrigada de coração

      Eliminar
  8. Um Abraço muito Muito MUITO APERTADINHO!
    =)
    Não so pelo testemunho que li mas tambem por tudo o que senti quando vi aquela reportagem, parecia que precisava mesmo de um abraço <3
    É Linda, é mesmo muito bonita, e fico tao feliz de ter encontrado este Blog, foi um acaso muito feliz.
    Eu compreendo aquilo que foi escrito neste texto tão intenso e intimo, porque o meu ninho as vezes me faz sentir que sou fora do baralho, e o facto de tambem ser a unica gordinha não ajuda para o caso.
    é facil dizer as poalavras certas, que temos de ser fortes, que temos de seguir em frente, que não vale a pena ter vergonha, hoje doi, mas antes doi-a mais, e um dia a dor não vai ser nenhuma, pelo menos é por isso que lutamos
    Muita força princesa <3 Muita coragem <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lena que Mulher bonita tu és! E que palavras sentidas me deixaste, obrigada de coração.
      Um gigante abraço bem apertadinho no silêncio de tanta coisa que sentimos.
      Beijinho grande!

      Eliminar
  9. És uma inspiração ❤️😂❤️

    ResponderEliminar
  10. Tão bom de ler 👏🏻👏🏻👏🏻

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Vanessa, fico mesmo mesmo feliz por saber que é bom, traz calma ao nosso coração as palavras que vos deixo. São sinceras, transparentes e cheias de força enviada para quem as lê.
      Um grande beijinho

      Eliminar
  11. Gostei muito de ler este teu desabafo e de muita força. Ser positivo é muito importante, e mais importante ainda e como referis-te no texto, é deixar as pessoas que afinal eram para ser as mais importantes,mas que no fundo, não eram ou são, para trás! É preciso fazer escolhas ou elas ou a tua pessoa! E fizes-te a escolha certa. Olhar para o teu eu. Deixar o que não interessa e faz mal não é opção e sim livramento para seres tu mesma e mostrar que afinal tu também és um ser humano. Gostei muito da tua força. e desejo que continues sempre assim. Mil beijokas :) Never Give Up!
    ❤ Célia Santiago
    Diário Feminino
    FacebookInstagramYouTube

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Célia! Disseste absolutamente tudo, ESCOLHAS. É isso mesmo que fará a diferença na nossa vida. Escolher entre eles e nós. Entre ser cinzento ou passar a branco. Escolha em seguir em frente ou ficar preso. São estas coisas que fazem a diferença nos nossos dias. A escolha!
      Um grande beijinho e obrigada de coração por cada palavra.
      Beijinho

      Eliminar
  12. Os teus desabafos são tão "de dentro", Ana, que mesmo não estando num "buraco" acabo por levá-los comigo para as pequenas coisas. Tu és tão forte. E, por muito mau que tenha sido o passado, é mesmo inspirador saber que um dia não o foste, porque trazes esperança de que tudo é possível, se assim o quisermos! <3

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu nem imaginas como é importante o teu testemunho. Saber que não são só palavras que vocês levam mas sim a esperança de que tudo é possivel faz-me mesmo bem! Obrigada de coração ❤️

      Eliminar
  13. Obrigada pelo teu testemunho.
    És linda. :)
    Fala-nos de como encontraste o amor da tua vida. Faz sonhar estas meninas solteiras que ainda esperam pelo príncipe. :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aiiii que ideia maravilhosa! Obrigada de coração pelo carinho ❤️
      Acho que me deste uma excelente ideia para falarmos sobre a nossa relação com o próprio corpo e com a questão da sedução 👍🏻
      Obrigada de coração ❤️
      Beijinho grande

      Eliminar
    2. Simmmmmm :)

      Beijinhos

      p.s: também vivo na Suíça, estás em que cantão?

      Eliminar
    3. Que giro! Estou no cantão do Valais e tu?
      Beijinho

      Eliminar
  14. Oh Ana... tocaste-me tão fundo com este texto... Estou farta de chorar. Tens tanta razão e identifico-me contigo em tanta coisa. Onde vais buscar esta tua garra? Sempre te vi como uma pessoa animada, sempre bem disposta, mas nos últimos tempos sinto-te uma guerreira.
    Tal como tu, sempre me senti o bicho-do-mato... mas não consigo deitar cá para fora aquilo que passei, e que me sufoca. Sinto que ninguém vai acreditar em mim e que me estou a fazer de vítima.
    Estou numa fase da minha vida em que "deveria" estar feliz. Tenho um filho que passou a fase da adolescência e está a tornar-se um adulto com objetivos e com vontade de vencer, tenho um companheiro que adoro e que me faz sentir a mulher mais importante do mundo, tenho a minha vida económica a resolver-se (aos poucos é certo, mas vai indo) e no entanto, sinto-me tão triste e tão isolada...
    Já nem me lembro da Paula do Peso Vital, acreditas? Quando vejo as fotos parece que não era eu... hoje sei que o meu grande problema foi que mudou o corpo, mas não mudou a cabeça, nem consegui pôr para trás tudo o que vivi. E, assim voltei ao que era... porque estava cá tudo...

    Minha querida isto tudo para te dizer que este texto é... sublime...

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha Paula,
      Temos de conversar a sério e tenho um abraço para te dar.
      Quero também dizer-te que ao ler-te decidi contar-te um episódio que vivi nesta minha caminhada. Nem imaginas como me emocionas e como me identifico quando dizes "Tal como tu, sempre me senti o bicho-do-mato... mas não consigo deitar cá para fora aquilo que passei, e que me sufoca. Sinto que ninguém vai acreditar em mim e que me estou a fazer de vítima.". Tenho mesmo que escrever-te um texto. Podemos combinar um encontro no meu próximo desabafo? Será para ti, entre nós e quem sabe uma conversa nossa com que todas aquelas que carregam pesos às costas se identifiquem ;)
      Um gigante abraço e um beijinho enorme <3

      Eliminar
    2. Eu sei que tal como tu e como eu, existem muitas (se calhar, mais do que imaginamos) que sentem o mesmo e que se escondem atrás de um sorriso ou de uma roupa escura e larga. Sei que para se seguir em frente temos de largar os "fantasmas"... dizem-nos para desligar com o passado, aceitar o presente e aprender a gostar de nós. Mas não há fórmulas. Não temos como "formatar" o coração, o cérebro, ou seja lá o que for... e deixamos seguir.
      Fico à espera do teu próximo desabafo, e muito, mas muito obrigada pelas tuas palavras

      Beijinho

      Eliminar
    3. Nunca me agradeças, acredita que para mim também já foste a força que eu precisava. Por isso já sabes, no que eu puder ajudar eu estou MESMO cá.
      Um grande beijinho e um forte abraço

      Eliminar
  15. Oh minha querida amiga.... O que este texto me levou às lágrimas! Pois sinto-o... ... tão meu!
    Tenho cravados na pele esses caminhos tortuosos, essa vida cinzenta, que ficou ainda mais negra...
    Temos que ser nós, sem duvida, a levantar-mo-nos, a sair do buraco, a aceitar a mão amiga que nos apoia e nos ampara as quedas, mas os passos têm que ser nossos, cambaleantes até se tornarem firmes.
    E aplaudo de pé... Desculpa, mas sinto tudo, tão meu!...

    ResponderEliminar

Feel welcome!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...