LUTA!


Acho que esta é provavelmente a palavra que me acompanha desde sempre. Acho que é também a fase que mais tempo durou.
Depois da aceitação, entramos então na fase da LUTA, e não, não é mais uma luta contra o corpo, contra as estrias e a celulite. Não é mais uma luta contra a comida nem contra os números da balança.

Não, não é mais uma luta assim. Começa então a ser uma luta contra aqueles que sempre fizeram questão de nos assombrar, de olhar dos pés à cabeça e tecerem comentários desagradáveis.
É uma luta contra todas aquelas palavras, imagens e recordações que nos atormentam, nos destroem e eliminam todo o potencial de sermos grandes pessoas, enormes.
É uma luta contra uma sociedade inteira mas e então? Já somos fortes, muito mesmo. Foi a aceitação que nos alimentou de força.
Alimentou-me de tal maneira que me ensinou o que eu realmente queria na minha vida, que me ensinou que eu posso tudo e que eu sou gente que merece estar viva e aproveitar cada segundo.

Foi a aceitação que me deu forças para ir à luta e mandar à merda aqueles que dizem que sou doente porque sou gorda.
Foi nesta luta que decidi cuidar de mim, foi nesta luta que ganhei forças para fazer o que gosto sem medo do olhar dos outros.
Um dia dei por mim a ter força para assumir as minhas escolhas, sentia-me forte e responsável. Nesse dia decidi que o ginásio seria a minha despesa pessoal. Fui, como já vos disse não foi fácil mas a minha luta valia a pena, enfrentei todos os olhares, forte como me sentia enfrentei os meus medos. Cai, vezes sem conta e então? Ainda hoje cairei se assim tiver de ser porque eu estou de pé e isso é que me importa.

Lutei para um dia levantar a cabeça e dizer que valeu a pena. Olhei-me mais ao espelho, não para ver o corpo que estava em mudança, mas para falar cara a cara comigo. Quis olhar-me nos olhos e ver quem realmente era. Foram dias a fio a achar que era maluquinha por estar a conversar comigo mesma, olhos nos olhos e perceber que eu era, sou tão mais que um corpo, foda-se!

Não gosto de gente que fala dos gordos como quem fala de monstros na sociedade, não gosto de gente que fala dos gordos como se fossemos uns bichos que só querem enfardar comida. Não gosto de gente que se precocupa muito com os anos de vida que me restam ou da gordura que me pode matar. Hoje a minha luta já não é por amor-próprio, afinal hoje já sei quem sou.
Hoje a minha luta é tentar entender ou ensinar a esta gente que a saúde é mais que um corpo, que morreremos todos e que cada um faz da vida o que quiser e que NINGUÉM tem o direito de julgar ou matar com olhares seja quem for, seja gordo, magro, alto, baixo.

Nota-se muito que não gosto de gente preconceituosa? Eu não luto para que me amem ou gostem de gordos!
Há coisas que não acho bonito, existem caracteristicas que não me agradam, E ENTÃO?! Terei eu o direito de ofender, criar teorias, importunar ou julgar?! Não, não tenho e é aqui que está a grande diferença e acreditem que muitas das vezes o preconceito está mesmo ao virar da esquina à espera que atravessem a linha.

Ah e tal a obesidade é isto e aquilo... e então? Alguém te perguntou alguma coisa?! Não há ninguém melhor que o gordo que conheça os riscos que gordura a mais no corpo pode causar.
Ah e tal é um flagelo social! É? Preocupas-te mesmo com isso? Então levanta o cú da cadeira, desliga o computador e dirige-te a uma qualquer organização que ajude no combate à obesidade e em vez de apontares dedos e espalhares teorias junta-te a uns outros tantos na LUTA contra o preconceito e dá a mão a quem quer apenas uma coisa, ser forte, para depois se assim o entender conseguir mudar!
Vai lá, despacha-te e deixa-te de merdas. Se é um problema social a luta não é só deles, deve ser tua também que só sabes apontar dedos!

A Luta é longa para nos amarmos mas olhem-se mais ao espelho, não para destruir a imagem desse corpo, mas sim para conversarem convosco olhos nos olhos até perceberem quem realmente são e o porquê de sentir vergonha da pessoa maravilhosa que o mundo está a perder.

***

Lutte, ce mot est probablement celui qui me suivra toute ma vie. Je pense que c’est aussi cette phase de lutte qui a duré/qui dure le plus longtemps.
Après l'acceptation, nous entrons alors dans la phase de combat et non, ce n’est pas un combat contre le corps, ni contre les vergetures ni contre la cellulite. Ce n’est plus un combat contre la nourriture ni contre les chiffres du pèse-personne.

Non, ce n’est plus une lutte comme cela. C’est un combat qui commence contre ceux qui ont toujours fait en sorte de nous hanter, de nous regarder de la tête aux pieds en tissant des commentaires désagréables.
C’est un combat contre tous les mots, images et souvenirs qui nous tourmentent, nous détruisent et éliminent tout le potentiel que nous avons pour être des gens formidables, énormes.
C’est un combat contre une société entière mais et alors? Nous sommes déjà très, très forts. C’est l'acceptation qui nous a alimenté d’une force qu’on ne soupçonnait même pas avoir.
L’acceptation m'a nourri d’une telle force qui m'a appris ce que je voulais réellement dans ma vie, m'a appris que je peux tout dans la vie et je suis quelqu’un qui mérite d'être en vie et de profiter de chaque seconde.

C’est l'acceptation qui m'a donné la force d'aller au combat et d’affronter tous ceux qui disent que je suis malade parce que je suis grosse.
C’est ce combat qui m’a montré qu’il était temps de prendre soin de moi, c’est aussi pendant ce combat que j’ai gagné la force de faire ce que je veux sans crainte du regard des autres.
Un jour, j’ai réussi à avoir la force pour prendre et assumer mes choix, je me sentais forte et responsable. Ce jour-là, j’ai décidé que la salle de sport serait ma dépense personnelle. Et j’y suis allée, comme je vous l'ai dit auparavant, ça n'a pas été facile, mais mon combat en valait la peine, je faisais face à tous les regards, je me suis senti forte pour finalement affronter mes peurs. J’ai baissé les bras à plusieurs reprises et alors? Et même aujourd'hui si un jour je tombe je sais que je peux me relever car je crois en moi et surtout j’accepte qui je suis et je me fais confiance et c’est ça le plus important pour moi.

Je me suis battue pour un jour lever la tête et dire que ça valait le coup. Un jour je me suis regardée dans un miroir, pas pour regarder mon corps qui été en train de changer, mais pour avoir un tête-à-tête avec moi-même. Je voulais me regarder dans les yeux et voir qui j’étais vraiment. Pendant des jours je me suis dit que j’étais folle de parler à moi-même devant un miroir, de me regarder les yeux dans les yeux, mais j’en avais besoin. J’ai finalement pris conscience de qui j’étais vraiment et que je suis tellement plus qu'un corps, fuck !
Je n’aime pas les gens qui parlent des gros comme s’ils parlaient des monstres de la société, je n’aime pas les gens qui parlent des gros comme si nous étions des animaux qui veulent juste manger sans fin. Je n’aime pas les gens qui se préoccupent avec les années de vie qui me restent ou de la graisse qui peut me tuer. Aujourd'hui, mon combat n’est plus pour mon estime de moi-même, aujourd'hui je sais finalement qui je suis.
Aujourd'hui, mon combat est d'essayer de comprendre ou apprendre à ces gens que la santé est beaucoup plus qu'un corps, qu’on mourra tous et que chacun fait de sa vie ce qu’il veut et PERSONNE n'a le droit de juger et de tuer quiconque avec des regards, qu’on soit gros, maigre, grand, petit…
Ça se voit que je n’aime pas du tout les préjugés? Je ne me bats pas qu’on m’aime ou pour qu’on soit obligé d’aimer les gros !
Il y a des choses que je trouve pas belles, il y a des caractéristiques qui ne me plaisent pas, ET ALORS?! Ai-je le droit d'offenser, créer des théories, taquiner ou juger?! Non, je n’ai pas ce droit et c’est là qu’il y a une grande différence et croyez-moi que, souvent, les préjugés sont juste là à attendre qu’on franchisse le pas du manque de respect.

Ahhh mais l’obésité est ceci et cela ... et alors? Quelqu'un vous a demandé quelque chose?! Il n'y a pas mieux que les gros pour connaître les risques qu’un excès de graisse dans le corps peut provoquer.
Oh, et ceci est un fléau social! Est-ce que tu te préoccupe vraiment avec ça? Si oui, alors lève ton cul de ta chaise, éteint l'ordinateur et cherche une organisation qui aide dans la lutte contre l'obésité et plutôt que de pointer le doigt et cracher des théories joins-toi à ceux qui s’engagent vraiment dans la lutte contre les préjugés et donne ta main à tous ceux qui ne souhaite qu'une chose, être forts et ainsi pouvoir changer s’ils le désirent!
Allez, vas-y, bouge-toi et arrête avec tes conneries. Si pour toi c’est un problème social alors dis-toi que la lutte n’est pas seulement de leur côté mais aussi du tiens et ça ne se résume pas à les pointer du doigt!

La lutte pour s’aimer est longue, mais regardez-vous dans le miroir, non pas pour détruire l'image de votre corps, mais pour parler avec vous-même, dans les yeux, jusqu'à ce que tu réalises qui tu es vraiment et pourquoi tu as honte de la personne merveilleuse que tu es et que le monde est en train de perdre.

24 comentários:

  1. Essa foto, esse olhar! <3

    ResponderEliminar
  2. Caramba, Ana. Que grande texto. E que grande luta! Não é fácil lidar com uma sociedade tão parva que hoje em dia acha que tem direito a opinar e acusar sobre tudo, principalmente atrás de um PC. Mas são vozes como a tua que vão arrastando o véu da estupidez para o lado. :)

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Joana é isso mesmo acham que podem tudo e isto abrange mesmo qualquer assunto. Infelizmente anda meio mundo a confundir respeito, liberdade e maldade.
      Mas que possamos nós ir mudando as coisas nem que seja um só bocadinho ;)
      Grande beijinho

      Eliminar
  3. Aceitar-se é uma coisa muito misteriosa que enquanto não chega nos consome, mas quando chega vem com tanta força que nada abala. A luta é longa, mas quando "termina" ou quando chegamos ao ponto que precisamos, é maravilhoso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom ver-te por aqui <3

      Disseste tudo. Qunando aprendemos a enfrentar e perder os medos tornamo-nos invencíveis. Quando sabemos quem somos e temos consciência do nosso valor como ser humano chegamos assim muito perto daquilo a que chamamos uma vida plena ;)
      Beijinho

      Eliminar
  4. Anónimo18.1.16

    Acho que ainda não te aceitaste completamente! Ou não escreverias tanto e de forma tão veemente sobre gordos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes anónima há uma coisa que deves perceber, aquilo que me faz sentir, aquilo que desperta em mim paixão são assuntos assim, que mexem com as minhas tripas. E olha não é por eu não me deixar afectar que não me emociono a cada vez que alguém me diz "hoje senti-me gozada", "hoje doeu-me". Sabes, eu sei que sabes, eu não sou nem nunca fui egocêntrica, sinto o que se passa à minha volta, as injustiças.
      Olha eu escrevo sobre gordos porque o sou, escrevo aquilo que vivo e vivi é difícil entender isso? Queres que escreva muito e veemente sobre ser magra quando nunca o fui?
      Olha, mais uma vez, os teus achanços andam pelas ruas da amargura. Deixa-te disso, mais vale dedicares o teu tempo a algo construtivo que a achanços sobre a minha pessoa. Eu que não me aceito completamente (só aos bocadinhos que eu sou muito grande) vou continuar por cá a alimentar aquilo que tu quiseres achar.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Muito profundo! Palavras sabias!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grande beijinho Theresa.
      Quando é escrito com sinceridade e sem filtros acho que isso se sente, e é isso mesmo que procuro nesta partilha que faço no blog.

      Eliminar
  6. Anónimo19.1.16

    É muito difícil sentirmo-nos gozados a vida toda, seja quando somos crianças ou já em adultos, quando as pessoas olham para nos como se tivéssemos alguma doença contagiosa. Aceitar-me ainda não consegui, mas um dia conseguirei e hei-de mostrar a esses ''pessoas'' que me gozaram toda a vida que sou muito melhor que eles. E passarei por ele de cabeça erguida.
    A essas pessoas só podemos dizer uma coisa: Olhem-se e percebam quem realmente são... (podem não ser assim tão bons, como se julgam)
    Este texto tocou-me muito Ana, mas estas palavras dão me força para continuar e gostar mais de mim e aceitar-me. (os meus principais objectivos nesta caminhada!)

    Obrigada e beijinhos
    E.H

    P.S. Desculpa o desabafo, mas ha assuntos que me tiram realmente do serio e o gozo é um deles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida EH, tu és das que já me conheces e nunca na vida me deves pedir desculpa por desabafares, sabes que sempre o disse para o fazeres e enquanto isto for "gerido" por mim deves mesmo fazê-lo!

      É isso mesmo que ando cá a fazer, quero ser uma parte desse caminho, quero fazer parte dessa aceitação que deve ser mesmo o teu objectivo, depois as mudanças acontecem naturalmente e tornam-se consequências da força que o amor-próprio nos trouxe.

      Um enorme beijinho

      Eliminar
  7. Olá Ana :) Tenho 47 (quase 48) anos, e adoro o que escreves. Hoje, quando olho para trás, só me dá vontade de entrar numa máquina do tempo e voltar lá, para viver o que não vivi, porque era gorda! Aprendi, com a idade, que ninguém, mas ninguém mesmo, tem o direito de fazer as pessoas não se sentirem pessoas. Agora vivo a minha vida, como eu gosto, como eu quero. Sou eu que mando. Beijinhos e vou estar sempre aqui a ler-te :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu emociono-me assim, com as vossas palavras e digo "caramba Ana é por isto que fizeste este blog"!
      Querida Carolina, sei tão bem o que é essa vontade em viajar no tempo. As primeiras idas à praia das minhas crias não se voltam a repetir e eu... eu perdi algumas coisas mas felizmente aprendi a tempo que eu posso, que eu devo, que eu tenho é de ser feliz. A vida é minha e passa num piscar de olhos.
      Obrigada! Obrigada por estares aqui Carolina, obrigada de coração!

      Eliminar
  8. Anónimo20.1.16

    Lamento que tenhas achado que o meu comentário era uma crítica.Acho que escreves muito bem e gosto de te ler a
    dissertar sobre a vida em geral! sinto-te como uma pessoa com um sentido de humor divertido e louco. Quando escreves sobre gordos é sempre de forma tão intensa e cáustica que transmites uma angústia dolorosa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu vou ser sincera, comigo comentários anónimos têm sempre um parêntesis pelo simples facto de que eu nunca sei qual a intenção das palavras mas isto era só um aparte.
      O teu comentário não me foi ofensivo porque esses eu nunca publico. Aquilo que quis esclarecer foi aquilo que achas sobre mim. Que eu não me aceito. E isso precisou ser esclarecido por mim. Se eu não me aceitasse, como foi o caso durante muitos anos, jamais expunha a minha imagem ou história da maneira que faço aqui no blog.
      Sabes que leio a tua frase como um enorme elogio? É que ao partilhar a minha vivência como criança, adolescente, adulta gorda é isso mesmo que quero transmitir, a dor que carreguei. Acho que só assim, sem filtros, quem nos ofende pode saber o quanto fere os outros e aqueles que procuram sair do buraco negro podem perceber que é possível sair daquele estado e levantar a cabeça em busca de plenitude e equilibrio ;)

      Eliminar
  9. Adorei cada palavra que escreveste. Adorei cada sentimento que transmitiste. Adorei a sua mensagem no total. Eu relaciono-me imenso com este texto. Nem tenho palavras de descrever a minha história relacionada com isto, que a minha luta constante é para comigo e não com os outros. É certo que posso não me considerar obesa agora, mas já pesei o máximo 131kg e devo dizer que essa parte da minha vida foi difícil ao ponto de sofrer de distúrbios alimentares.
    O que mais odeio é que todos aqueles que me apontavam antes da dieta e tal, agora estão todos orgulhosos. Orgulhosos?! Orgulhosos de quê?! Foi eu que lutei, trabalhei, passei por todo, passei fome, fui bater ao hospital com anemia grave, chorei, gritei... e estão orgulhosos!? O orgulho devia ser tudo meu, não dos outros. Isso é o que me enerva mais.
    Mas agora, para nunca mais. Se sou gorda (porque voltei a engordar 10kg dos 67kg que perdi) é comigo. Se quiser emagrecer (porque quero voltar a ter 65kg) é comigo. Se sou magra (muitos dizem que estou muito magra não percebo porquê) é comigo. Se pintar o cabelo de azul é comigo. Mais ninguém tem a ver com o que sou e como não sou, seja por saúde ou não, vida é minha não deles.
    Eu gosto imenso do seu blog, das suas palavras, da sua luta e garra. A sua força inspira-me imenso, mas a mim falta-me coragem!
    Bela mulher, linda e poderosa que és :)
    Força, sucesso e muitos anos de felicidade <3 <3

    ~ Carla'C

    Sorteio a 100 Seguidores - Clique aqui
    Coisinhas da Carla'C
    Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carla que testemunho mais bonito! E é isso mesmo que penso, sejamos gordos, altos, cabelo amarelo, verde, vermelho ou lá o que for a decisão da nossa vida pertence unicamente a nós, que somos quem tomamos e assumimos decisões. Uma das coisas que faço questão de mencionar continuamente no blog é isso mesmo, auto-estima e amor-próprio em grandes doses para que os de fora não nos consigam destabilizar.

      Parabéns pelas tuas decisões, força e persistência.
      Um grande beijinho

      Eliminar
  10. Parabéns pela tua força!
    Fui uma criança rechonchudinha e tornei-me uma adolescente e jovem adulta magra mas com as devidas curvas generosas... até chegar perto dos 30 e a minha tiroide começar a avariar. Passei por fases em que inchava imenso para logo a seguir voltar ao normal até que, 2 anos após a 2ª gravidez, engordei brutalmente para nunca mais voltar atrás num curtíssimo espaço de tempo. Nunca esquecerei o dia que encontrei uma conhecida no meio da rua: ficou estática a olhar para mim e sai-se com esta pérola, alto e bom som "Ai mulher, que te aconteceu? Pareces uma vaca!"... Juro que sempre fui mulher de responta pronta, mas nesse momento só me apeteceu que o chão se abrisse, virei-lhe costas e fui embora a chorar!
    Hoje, aos 47 e cerca de 90kg (há muito que não me peso) ainda não reconheço aquela mulher que me aparece no espelho e volta e meia aquelas palavras ainda me ecoam...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caramba ainda há pouco tempo numa conversa que tive, e que espero que vocês vejam, mencionei isso mesmo, as palavras que nos queimam a alma ecoam para a vida na nossa cabeça, ao ponto de nos aterrorizar e criar medos desconfianças mesmo no dia-a-dia.
      Por isso é que só no dia em que me senti forte fui capaz de enfrentar pessoas com essa falta de respeito pelos outros.
      Para isso precisei aceitar quem sou e reconstruir uma pessoa forte para me tornar imune a todas essas coisas que nos destabilizam.

      Assunção eu acredito que para atingirmos os nossos objectivos precisamos primeiro, reconhecer quem somos, termos noção do que se passa naquele corpo, naqueles olhos que fingem não querer saber do que nos desagrada. Só assim poderemos parar, estudar quem somos e renascer em buscas dos objectivos que nos lançamos.
      Um grande beijinho

      Eliminar
  11. Eu tenho uma maneira muito própria de ver isto, é a minha maneira. Eu tenho 90kg e sou gorda. Já tive 20 a mais mas sempre gostei de mim, sempre me achei gira e sempre tive rapazes atrás de mim. Nunca fiz dietas malucas. Há 5 anos atraás decidi que já não me podia ver e que a gordura estava a deixar de me fazer coisas sociaveis...mudei a minha vida e os meus hábitos alimentares.
    Sinto-me muito mais saudável. Mesmo sendo ainda gorda, este dezembro corri na São Silvestre!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade que a auto-estima é mesmo o essencial no nosso dia-a-dia. E é isso mesmo que tento fazer chegar a quem por aqui passa.
      Ter força para fazermos escolhas é essencial e só assim podemos amar quem somos e mudar se assim quisermos.

      Eliminar
    2. Tu vives bem com o teu corpo e foi por isso que achei piada ao blog e comecei a seguir.

      Eliminar
    3. Sê muito bem-vinda!
      Hoje sim, aceito quem sou e isso faz toda a diferença. Foi uma longa caminhada mas valeu a pena <3

      Eliminar

Please feel welcome!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...