Esta merda dos Regimes Alimentares! #1


Tenho tanto para vos contar sobre dietas que não sei por onde começar por isso talvez este texto vos pareça confuso, misturado e sem estrutura mas perdoem-me porque hoje isto não é um texto, é um grito! De cansaço, de impotência.
Não quero mudar-vos, não! Quero apenas que aceitem a DIFERENCA! Porque enquanto não a aceitarem e nisto falamos de TODAS as diferenças continuarão a ser os cúmplices deste castigo, desta tortura que infligem a quem sente na pele o que é estar fora de padrões! Sim! TU que condenas, que julgas, que humilhas és um cúmplice de cada ferida que aquela pessoa terá de carregar o resto da vida!

Hoje dei por mim a olhar para o meu eu. Não o eu de hoje, não.
Dei por mim a olhar para o meu eu com 11 anos. Sim, 11 anos! Aquela idade em que ainda devia olhar para a roda dos alimentos e aprender a consumir aquilo que ali estava sem manias nem modernismos.
Mas não! Não! Aquela roda nada mais era que uma roda que eu devia aprender porque fazia parte da matéria a estudar para o exame de ciências!
Nunca existiram horários para “ir para a mesa” exceto quando almoçava na ama que tinha tudo de Mãe perfeita. Que me ensinou como cozer pão no forno a lenha, que me ensinou a fazer o doce de tomate caseiro para comer de vez em quando em vez do pote de tulicreme ou Nutella que eu ainda hoje não gosto.

Em casa, frases como “refeição à mesa” ou “horas de ir para a mesa” nunca existiram, desde muito cedo fomos ensinados a “comer qualquer coisa” depois de ouvir um “há aí pão, comam”.
Quantas vezes as refeições em casa eram pão com manteiga e pão com ovo e pão com chouriço e pão com pão… e pão. Tantas, mas tantas que nem contar é possível.

Tinha 11 anos, 11 anos! Quando me meti naquele que seria o meu primeiro regime alimentar ou dieta como muitos lhes chamam. Aos 11 anos! Gente! 11 anos!
O gosto daquela sopa horrível que eu achava ser a minha salvação nunca mais largou o canto das minhas más recordações. Tinha 11 anos quando dei o meu primeiro passo para o caminho dos castigos da vida.
Como é que alguém um dia podia ter espalhado a noticia de que emagreceríamos se consumíssemos aquela sopa??? Poderemos nós acabar com todas aquelas publicidades estupidas de dietas repentinas mesmo ali a chegar ao verão?
Tinha 11 anos, ouvir “gorda”, “monstro”, “baleia”, “gelatina”, “cachalote”, “feia”, “inútil”, “banhas” já era comum o que eu nunca pensei foi que isto fosse apenas o inicio de algo que é sempre mais que palavras.
Achei que seria capaz de vos dizer muito mais num só post mas não consigo e perdoem-me porque acreditem ou não enquanto vos escrevo com o coração na ponta dos dedos, viajo no tempo, sinto tudo novamente e isto torna-se para mim um verdadeiro desafio… cansativo, mas sei que vale a pena porque enquanto eu souber que alguém ou alguma coisa muda então eu cá reviverei cada segundo do meu passado que não é leve.

Voltarei com este assunto, com os comprimidos comprados na internet, com o Tallon, com as dietas hiperproteicas e TAMBÉM com os internamentos, com as operações de urgência, com a falta de acompanhamento médico enquanto os números descem (e não são só os da balança) e com o desespero que é de não se ser a “gira”, “boa” do quadrado chamado sociedade.

16 comentários:

  1. A vida é cruel às vezes. Vá lá que deste a volta por cima, mas infelizmente há tantas crianças que se perdem nestas coisas...nunca mais vou esquecer a vivência de uma amiga que teve um AVC à conta de comprimidos de emagrecimento manhosos.

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh querida Joana, felizmente ainda existem bons profissionais que nos dão a mão na altura certa e nos ensinam o importante de uma reeducação alimentar ;)

      Eliminar
  2. dieta...eis uma palavra que sempre me fez confusão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vendo as loucuras que as pessoas vendem como dieta compreendo bem o teu sentimento ;)

      Eliminar
  3. Fico muito triste que tenhas que passar por isso com apenas 11 anos. Eu tb passei por isso mas por ser magra demais e é triste ouvir nomes tão feios (que ainda me lembro) com idade tão jovem. Mas eu fico muito feliz que tenhas dado a volta por cima.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso é que costumo dizer, preconceito à diferença é que devia ser combatido que sejamos gordos magros brancos pretos ou amarelos sempre que não entramos em padrões lá estão os "perfeitos" para criticar... Infelizmente!
      Bj

      Eliminar
  4. Ao ler as suas palavras lembrei a minha infância ao contrario de si era extremamente magra e descriminada por isso,o tempo passou fui aumentando o peso hoje estou com excesso e sinto descriminação outra vez, dou por mim a pensar o quanto a sociedade é injusta,então pergunto-me como pode alguém ser tão convencido ao ponto de se achar perfeito para criticar alguma coisa?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa é mesmo uma questão essencial que todos se deviam perguntar que quem aponta o dedo tem sempre 4 direccionados a si mesmo...

      Eliminar
  5. 😣Não devia ter ficado triste mas fiquei pois revi me no que tu escreveste só comecei a fazer dieta aos 16 anos mas antes disso quanto mais baleia gorda e feia me chamavam mais eu comia😢graças a Deus ou não aos 18 comecei a imagrecer e aos 20 apareceu me a BOMBA tumor no pâncreas.Mas com a tua história vais aliviar o fardo pesado de muita gente.Forca tu és linda por fora mas muito mais por dentro!Tu és enorme de grandeza

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai Susana quem ficou com um aperto no coração fui eu... Não sabia dessa tua bomba, dessa tua luta. Parabéns minha miúda ❤️
      Que o coração de alguns se adoce com as mágoas que cria nas pessoas e que outros ganhem coragem para ser ainda mais fortes.
      Grande beijinho

      Eliminar
  6. Ana, palavras para quê quando sabes o que acho de ti, do que dizes. Na minha infância comia sempre a horas e com a família reunida, mas o prato estava cheio e ninguém falava também em comer corretamente. Comia se muito, como se essa fosse também uma forma de demonstrar afeto, de o partilhar. ..aos poucos também fui percebendo que era diferente, maior, e apesar de nunca ter sofrido grande estigma, não é fácil como tu dizes não ser "a boa" durante a adolescência e a procura da dieta milagre começa. .. Como se isso importasse? Como se eu valesse mais por ter menos quilos! Mas apenas a maturidade me trouxe a capacidade de me amar, de, como eu costumo dizer,de "gostar-me".De me aceitar e perceber que a vontade de perder peso não é para agradar a ninguém, não é para que ninguém me aceite, é apenas para mim e por mim, porque eu mereço cuidar-me! Os outros, se não gostam das minhas ancas largas, do meu rabo grande, perdem muito, pois ao privilegiarem a casca, não ficam a conhecer a imensidão do que levo dentro! Falta de humildade? Não! Amor próprio!
    Um beijo. Grande. Como o que levas dentro! Exorciza o teu passado que o presente e o futuro fazemo-lo agora. E mais uma vez obrigada pela tua partilha! Vamos ser felizes na nossa pele? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que poderei eu dizer mais Maria... Tu entendes bem o que escrevo :)
      Infelizmente ainda anda por aí muita gente que acho que trocar kgs a mais por dietas loucas é a solução, mas as soluções nunca passaram com um mal por outro mal né?
      Sobre o passado, está arrumadinho que foi graças a estas arrumações que finalmente gosto muito da pessoa que sou, como dizes tenho ciente a definição da palavra amor-próprio e isso é essencial para sermos muito felizes.
      Um enorme beijinho <3

      Eliminar
  7. Olá Ana. não iniciei a corrida louca as dietas tão cedo. Mas entendo-te tão bem. Sinto tanto as tuas palavras que algumas parece que fui eu q as escrevi. mas custa - me tanto que uma criança com 11 anos, e mais nova, tenha sofrido o q sofreste!! Doi cá dentro!! Não devia ser permitido! ! Mas conseguiste dar a volta por cima e estás aí uma GRANDE MULHER, e não digo em tamanho físico mas sim em todo o teu ser
    Gosto - te tanto!
    Ando numa fase descoberta.... Tive o meu alcance todas as chances de comer o correcto e de maneira correcta.... sinto que não o fiz por imaturidade. Adoro quem me cuidou e cuida mas, e como já li por aqui nos comentários, achavam quem gosta dá e mostravam dessa maneira a não faltar nada!! Quando quiserem por travão já foi "tarde"... Mas o caminho para a redução vêm aí... começo a acreditar. .. e as tuas palavras ajudam - me tanto.
    Beijinhos minha linda
    Ps- por ti, por mim e por todas que te seguem continua!!!!

    Sofia (sophye)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes o que me deixa mais feliz apesar das coisas menos boas que ouço, que leio? É isto. É a certeza que vale a pena gritar ao mundo que tudo vale a pena para sermos felizes, que estamos cá porque merecemos este espaço, esta vida que passa a correr. Gosto-te mesmo e fico muito mas mesmo muito feliz em saber que me fazes valer a pena ;)
      Cá continuarei, umas vezes mais esperançosa, outras vezes menos, mas cá continuarei, por nós, TODAS.
      Porque eu quero fazer valer a pena :)

      Um beijinho gigantesco!

      Eliminar
  8. Nunca fui de me meter em grandes dietas, acreditem ou não sempre tive algum cuidado com a alimentação, nada de excessos, gosto de grelhados, de saladas, de sopas... Sou gulosa, confesso, mas já por causa disso evito ao máximo ter guloseimas em casa e guardo esses momentos doces para ocasiões especiais. A única dieta que fiz, low-carb, foi por conselho médico e orientada, pois já comecei a ter problemas nas articulações pelo excesso de peso (é o único problema, nada de diabetes, hipertensão, colesterol)... Lá perder peso até perdi, mas em compensação ganhei pedra nos rins e umas cólicas que não desejo a ninguém! Foram uns meses diabólicos até me livrar da pedra e acabei por me esquecer da bendita dieta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente a nossa sociedade ainda vive de estigmas, e um deles é esse mesmo, o de que os gordos não comem saudavelmente. Já houve o tempo em que a comida para mim era como que um castigo, e por isso comia até me sentir a explodir, comia sem limites. Hoje em dia como mais saudável que a grande maioria da população, mas que interessa isso se continuo a ser gorda? ahahahah
      Continuo a ser gorda, mas já fui 40kg mais pesada e isso ninguém pode ver porque não me conhecem e a jornada foi minha.

      Infelizmente essa das dietas low-carb também me deixaram marcas no organismos, meus ricos rins. Mas a pior experiência foi mesmo com o Tallon (que se diz doutor), só me levou a uma sala de operações de urgência... mas falarei disso em breve ;)

      Eliminar

Feel welcome!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...